Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

O Botafogo continuará a ser meu

separador Por Fernando Molica em 25 de dezembro de 2021 | Link | Comentários (3)


Botafogotaca.jpg


Alguns amigos perguntam o que achei da venda do Botafogo. Acho um negócio meio esquisito, mas, pelas condições, inevitável. Clubes são resultado de decisões comunitárias, todos são criados por um grupo de amigos, vizinhos, correligionários. Não são fundados por uma pessoa, mas por um coletivo.

E o Botafogo de futebol - na prática, o que está sendo vendido - nasceu de maneira poética, é fruto do arroubo de alguns adolescentes que se reuniam no Largo dos Leões. Uma criação quase mitológica, que se encaixa tão bem nos textos de Paulo Mendes Campos sobre nossa paixão em comum.

Há muito que os grandes clubes deixaram de representar apenas determinados grupos ou comunidades, ainda que mantenham alguns pontos desse DNA. Descendentes de portugueses são, majoritariamente, vascaínos. Por ter sido criado na Zona Norte, por imigrantes ligados ao comércio, até hoje o Vasco tem uma torcida reduzida na Zona Sul.

Os clubes que ficaram presos às suas comunidades foram perdendo força, casos de Bonsucesso, Olaria, Campo Grande, São Cristóvão - que, não por acaso, carregam seus bairros de origem em seus nomes (essa é outra característica curiosa do futebol carioca, percebida também no Botafogo e no Flamengo, instituições que, ao longo dos anos, superaram as limitações geográficas originais).

Por conta do crescimento, os grandes clubes superaram seus fundadores, são muito mais representados por suas torcidas do que pelos seus sócios, frequentadores de suas sedes. Isso, na prática, já representou um rompimento com suas origens. Eles cresceram, ganharam o mundo, que bom.

De alguma forma, os clubes passaram a pertencer - não apenas no campo simbólico - aos seus torcedores, mesmo que estes não fossem sócios das respectivas agremiações. A pressão exercida sobre dirigentes reforça essa ideia de pertencimento, o quem manda aqui somos nós.

Mas, enfim, o mundo mudou, futebol virou um grande negócio, gigantes europeus pertencem a empresas, conglomerados, e nem assim deixaram de ter torcedores. O amadorismo que resistia à profissionalização tem a ver com o amor, mas também propiciou oportunismo, interesses políticos e roubalheira - muitos e muitos dirigentes ditos amadores ficaram ricos com o futebol.

Há algumas décadas times com características do Botafogo até conseguiam tocar o barco, beliscar títulos importantes. O problema é que, por conta de diversos fatores - entre eles, o pagamento das cotas de TV, valores que há até pouco tempo eram baseados apenas no tamanho das torcidas -, o futebol brasileiro ficou mais hierarquizado. Hoje, poucos times podem sonhar com o título do Brasileirão - triunfos de equipes como Guarani, Coritiba, Sport e Bahia ficaram para trás.

Nas atuais condições, o Botafogo não teria como repetir a vitória de 1995, estaria condenado a lutar para ficar na Série A, a batalhar por uma vaga na Sul-Americana e a sonhar com uma Pré-Libertadores. É muito pouco. Futebol é competição, envolve investimentos e busca de títulos, não dá para viver na base do hors-concours, o Botafogo não pode ser apenas um retrato na parede.

É constrangedor almejar ser vendido, ficar como as crianças pobres que, no Peru, há uns 30 anos, ofereciam bugigangas aos turistas aos gritos de "Compra-me, señor". É meio como estar na calçada, na batalha, torcendo para ser chamado por um senhor rico, a bordo de um carrão. Não é bom, mas era isso ou o fim. A questão agora é torcer para que a diretoria do Botafogo tenha brigado para colocar no contrato pontos que garantam o investimento no time e a preservação da marca e dos símbolos alvinegros.

O Botafogo sempre foi meu, apesar dos muitos dirigentes desprezíveis que passaram por lá - um deles, o pior, chegou a vender nossa sede e nosso estádio. Continuaremos botafoguenses, nossa estrela seguirá nos conduzindo. O Botafogo, a sua história e a memória de cada um de nós permanecerão, a despeito dos novos donos do futebol do clube. E, agora, teremos a perspectiva de um futuro.

Continuarei a ser dono do dia em que meu pai me levou para ver o primeiro jogo, em General Severiano; do caderno em que anotava o resultado de todas as partidas; da comemoração dos títulos de 1989 e de 1995; do grito de campeão em 2010 ao lado do filho mais novo (o mais velho viajara para fora do país, me ligou quando eu ainda estava no Maracanã); da ida com os dois filhos à inauguração do hoje Nilton Santos; do autógrafo do Nilton Santos; da comemoração, na arquibancada, da volta à Série A; da gaveta que guarda dezenas de camisas do clube - continuarei a hesitar na hora de escolher a que me levará ao estádio e abrirá caminhos para a vitória.

Continuarei a ser dono dos dribles do Garrincha, dos passes do Didi, da força e da técnica de Jairzinho, da rebeldia de Paulo Cézar e Afonsinho, do brilho solitário de Mendonça, das provocações e da pontaria de Túlio e de Loco Abreu. Continuarei a ser dono do que mais me define, do fogo no meu peito que nunca vai se apagar.



3 Comentários Enviados

Obrigado, Ricardo. Saudações alvinegras!

separador

Cara, que texto mais lindo, sensível e preciso. Resta-nos torcer para o sucesso dessa operação e pela reestruturação do futebol do Botafogo, da base ao profissional.

separador

Lindo texto. O Botafogo será sempre de sua apaixonada torcida. Fomos escolhidos e isso é difícil de explicar. Que seja um renascimento para o nosso amado Botafogo.

separador

Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet janeiro 2022
bullet dezembro 2021
bullet novembro 2021
bullet outubro 2021
bullet agosto 2021
bullet junho 2021
bullet maio 2021
bullet abril 2021
bullet maio 2020
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site