Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

Funk de Rebeca marca rompimento com a conciliação brasileirinha

separador Por Fernando Molica em 03 de agosto de 2021 | Link | Comentários (2)

O funk das apresentações de Rebeca Andrade no solo marca uma ruptura entre ela e sua mais óbvia antecessora, a também ginasta negra Daiane dos Santos.

Ao escolher 'Brasileirinho' para embalar e sustentar seus movimentos, Daiane optou pelo modelo de celebração nacional proposto pelo choro composto em 1947 por Waldir Azevedo e que, dois anos depois, receberia letra de Pereira da Costa. Uma trilha sonora que ainda parecia fazer sentido na primeira década do século 21.

Ao preferir 'Baile de favela', de MC João, funk carregado da linguagem dura e sexualizada que tanto marca o gênero (a letra tem versões hard e light), Rebeca rompeu com a conciliação proposta pelo choro que fala de um brasileiro entusiasmado, que abafa encanta e faz todo mundo dançar. O Brasil e o brasileiro não são mais os mesmos.

A dureza da quebrada tomou o lugar do aconchegante fundo de quintal. Como se, no Brasil de 2021, não houvesse mais espaço para um choro-exaltação que remete ao mulato inzoneiro citado em 'Aquarela do Brasil', de Ary Barroso. Não dá mais para botar o Rei Congo no Congado, a parada é outra.

A brasileirinha Daiane deu lugar à brasileiríssima Rebeca, a filha de empregada doméstica que exibe sorriso de porta-bandeira e a ginga sensual de uma passista.
Como disse uma professora da dança do samba, veterana da Portela, a uma de suas alunas que sonhava em brilhar na Avenida: "Faz cara de quem gosta", ensinou, cheia de malícia. O conselho parece ter chegado a Rebeca.

Daiane era Nossa Senhora Aparecida. Como o manto da Padroeira, seu 'Brasileirinho' parecia tentar cobrir um país tão desigual. Ela bem que tentou, mas não deu certo, as injustiças e a violência falaram mais alto.

Rebeca é Iansã, senhora que faz ventar e trovejar, que encanta como uma tocata de Bach, que alegra, assusta e faz tremer como as festas de favela.

Com seus passos e saltos, a campeã olímpica ressalta os bailes de Helipa, Marconi, Eliza Maria, São Rafael. Lembra de um Brasil da favela, tão pouco venerado.
Nos chama pra dançar, nos alerta e anuncia que os tempos mudaram. Veio quente e botou pra ferver.


2 Comentários Enviados

Obrigado, Setti. Desculpe a demora, o blog estava com problemas. Abração.

separador

Caro Fernando, ótima pensata. Você deveria ter um esquema que permitisse a leitores colocar textos seus na web, começando pelo Twitter.
Um grande abraço do
Setti

separador

Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet outubro 2021
bullet agosto 2021
bullet junho 2021
bullet maio 2021
bullet abril 2021
bullet maio 2020
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site