Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

março 2019 Archives

Países não têm ideologia

separador Por Fernando Molica em 08 de março de 2019 | Link | Comentários (0)

Na sua fala de ontem, Bolsonaro falou em cumprimento "da missão" ao lado de pessoas de bem, que amam a pátria, respeitam a família, "que querem aproximação com países que têm ideologia semelhante à nossa". Apenas países totalitários têm ideologia, de esquerda ou de direita - mesmo assim é algo, a história prova, temporário.

Países do leste europeu estiveram socialistas, parecia algo eterno, a história mostrou que não. Ditaduras de direita também foram pro saco. Sociedades democráticas têm compromisso com a possibilidade de escolher governos de diferentes visões ideológicas, numa eleição votam mais à esquerda; em outra, mais à direita - é o que tem acontecido por aqui. E é bom que seja assim.

Achar que o Brasil têm uma ideologia - não por acaso, a mesma do atual presidente - é uma forma de desconsiderar a diversidade que caracteriza o país, de diferenciar a população, de dizer que um cidadão é melhor do que o outro por conta de suas afinidades político-partidárias.

Não, todos, de esquerda ou de direita - e mesmo os que não são vinculados a qualquer visão ideológica, talvez a maioria da população - temos o mesmo direito, todos pagamos impostos, todos temos o direito de influenciarmos na escolha dos rumos que serão adotados pelos governos. Governos que, por um determinado período, representarão um jeito de enxergar o mundo.


Vento sopra, terreiro treme

separador Por Fernando Molica em 03 de março de 2019 | Link | Comentários (0)

Sei não (quem sabe é o Luiz Antonio Simas, só dou palpite), mas desde que ouvi os sambas do Salgueiro e da Portela achei que as águas de março iam desabar no desfile. Uma escola fala de Xangô, orixá dos raios e trovões; a outra, de Yansã/Oyá, que manda nos ventos e nas tempestades.

O samba da Portela chega a pedir: "Eparrei Oyá, Eparrei/ Sopra o vento, me faz sonhar". Já o do Salgueiro (que também cita Oyá), tem um verso fortíssimo, que remete à Justiça de Xangô: "Machado desce e o terreiro treme". Tá tudo tremendo, sinal de que tem muita injustiça no nosso terreiro.


Alfredinho morreu de Brasil

separador Por Fernando Molica em 02 de março de 2019 | Link | Comentários (0)

ALFREDINHO1.jpg

Lá no Bip, há pouco, nos perguntávamos sobre causa da morte do Alfredinho. Falávamos de tireoide, disso, daquilo - e, mesmo, do conjunto da obra. Arrisco dizer que ele morreu por não aguentar mais a dureza do país. Morreu por não suportar tanta estupidez, tanto ódio, tanta negação da vida. Alfredinho ressaltava os projetos sociais do Bip, pedia dinheiro para ajudar famílias muito pobres - no banheiro do bar há cartazes, em português e em inglês, que pedem colaboração "pra caixinha".

Em dezembro, ele demonstrava preocupação com a dificuldade de arrumar um local para fazer comida para a população de rua, brasileiros que, no dia 24, ficavam sem comer: "Os restaurantes fecham na noite de Natal", frisou naquele seu grito que ficava meio preso na garganta, voz que teimava em não sair direito. Ele alertava que, na noite da ceia natalina, não haveria sobras para alimentar tanta gente. Eu nunca havia pensado que a véspera de Natal seria terrível para os que não têm casa, para os que não têm o que comer. Alfredinho nos lembrava que havia muita gente que dependia de sobras.

Ele morreu hoje, sábado de Carnaval. Morreu - insisto - porque, apesar de tantas broncas, de tantos esporros, era doce demais. O Brasil ficou amargo, duro, insensível. O país ficou de um jeito que os mais sensíveis não conseguem aguentar. Alfredinho morreu de Brasil.


Dei meu sangue pelo Imprensa

separador Por Fernando Molica em 02 de março de 2019 | Link | Comentários (0)

Carnavais. Já dei meu sangue pelo Imprensa Que Eu Gamo. Há muitos anos, quando o Aziz Filho ainda tinha cabelos brancos, eu o Alexandre Medeiros fomos acompanhar a saída do bloco. Estávamos meio tristes, havíamos perdido a disputa do samba para a parceria do Marceu Vieira, mas não queríamos deixar o amigo triste. Logo na saída, o Marceu nos viu, e nos chamou para subirmos no carro de som. Resistimos, queríamos ficar no chão. Mas ele insistiu, insistiu. Subimos.

Do nosso jeito, ajudamos a puxar o samba: "Deu no New York Times/ Que a Garota de Ipanema é fofa". E ficamos lá, bebendo e cantando, seguindo o sambão. Já no fim do desfile, ali perto da casa de saúde, o mané aqui resolveu fazer graça - e fui puxar o samba na parte traseira do carro. Fui, e, bêbado-samba, caí naquele buraco onde fica a escada que dá acesso à parte superior do trio elétrico. Desabei, mas abri os cotovelos, me apoiei no piso do carro, não rolei escada abaixo - e não deixei cair o microfone!

Só que, na queda, bati com a canela esquerda nas bordas do tal acesso, o que causou um pequeno corte. Terminado o desfile eu estava ali, sangrando. Fomos ao Lamas jantar. No caminho, o Alexandre comprou uma caixa de band-aids - os curativos vinham decorados com os Smurfs. Como continuava a sangrar, do Lamas fui pro Hospital Samaritano, onde tomei pontos na perna. Semanas depois, por conta de um pirapaque qualquer, voltei ao hospital - e fui reconhecido por um médico: "Vocë que esteve outro dia aqui, né? Bêbado e com camisa de bloco...".


Eu, puxador de samba do Monobloco

separador Por Fernando Molica em 02 de março de 2019 | Link | Comentários (0)

Carnavais. Há mais de dez anos, ainda na Globo, fui cobrir um desfile do Monobloco na Avenida Atläntica. No alto do carro de som, entrevistei quem precisava entrevistar, o cinegrafista passou a fazer imagens adicionais. O bloco começou a tocar 'Contos de areia', lindo samba da Portela. Animado, vestido com a camisa Globeleza, comecei a acompanhar a letra, fiquei lá cantarolando e - do meu jeito, pra lá de desajeitado - sambando. Eis que alguém nota minha animação e trata de me entregar um microfone. Não refuguei, e entrei no coro dos puxadores: "Paulo Benjamim de Oliveira/ Fez esse mundo crescer/ Okê, okê, Oxóssi/ Faz nossa gente sambar". Durou pouco, não cheguei a atrapalhar a cantoria. Mas foi divertido.


BG
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site