Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

Policiais nas universidades

separador Por Fernando Molica em 26 de outubro de 2018 | Link | Comentários (0)

Entrei na UFRJ em março de 1979 (faz tempo, eu sei), nos últimos dias do governo Geisel. Logo de cara, uns caras apareceram na sala de aula convocando para uma manifestação contra a posse do general Figueiredo, que viria a ser o último presidente do ciclo ditatorial. Fiquei meio assustado, naquele tempo, manifestações ainda eram alvo de ataques da polícia. Não fui ao ato; depois, compareci a muitos outros.

A agitação política na ECO, Escola de Comunicação, na Praia Vermelha, era intensa, havia muita movimentação de tendências de esquerda. Eu tinha acabado de sair do comportado Colégio Metropolitano, no Méier, não sabia como me movimentar naquele emaranhado de siglas meio que sussurradas - PCB, PCdoB, AP, MEP, MR-8.Segredos bestas, numa faculdade pequena como a ECO, todo mundo sabia quem era quem.

Não cheguei a me envolver com aquelas organizações, por medo e por falta de convicção; continuei a cuidar de cineclubes. Mas conheci muita gente legal, interessante, inteligente, pessoas que sonhavam com um país melhor, mais justo, que, caramba, falavam até em revolução (o pessoal do PCB era muito sacaneado, chamado de reformista, por sua insistência numa transição pacífica para a democracia).

Era um negócio meio maluco, sem sentido, era óbvio que não haveria revolução alguma, o país seguiria um outro caminho no processo de redemocratização, e assim foi feito. Por que razão estou falando disso? Porque, apesar de toda a movimentação, de todos os panfletos, de todas as faixas contra a ditadura, apesar de todas aquelas teses revolucionárias mimeografadas, chatas pra cacete, que circulavam de mão em mão, nunca vi um policial dentro da minha universidade.

Desconfiávamos de espiões, de agentes infiltrados - claro que havia -, mas, insisto, nunca vi um policial por lá. Participei de debates, de reuniões com candidatos deste ou daquele partido, distribuí e recebi panfletos, mas nunca vi um policial naquele campus, que - soube depois - fora invadido pela PM anos antes, em 1968. Já passa das duas da manhã, acabei de chegar do trabalho. E estou assustado com as notícias que tratam de casos de repressão em universidades. É terrível saber que, por ordem judicial, estudantes estão sendo impedidos de exibir faixas (que sequer mencionam candidaturas) e de participar de debates. Universidades são locais de discussão, de troca, de busca de conhecimento. O que está acontecendo é muito grave, representa uma ameaça a cada um de nós. A Justiça tem que estar do lado da liberdade.


Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site