Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

Os alemães não querem esquecer

separador Por Fernando Molica em 17 de outubro de 2018 | Link | Comentários (0)

DSC_1438.JPG

DSC_1421.JPG

Postei ontem um trecho do meu 'Uma selfie com Lenin' em que trato da plaquinha com o nome do Hitler incluída numa obra que, exposta no parlamento alemão, mostra o nome de todos os deputados que passaram pelo prédio antes do incêndio de 1933. Hoje publico outro trecho do romance, o que trata das pichações feitas no prédio por soldados soviéticos que ocuparam Berlim num dos atos derradeiros da guerra. As ofensas estão lá, marcas da tragédia nazista, barbárie que só foi possível pelo voto do povo alemão e pela colaboração de setores conservadores que viam em Hitler um mal menor diante da ameaça que vinha da esquerda. Os alemães sabem que não podem esquecer o que foi feito.

"Com a reunificação alemã, houve nova reforma para que o Reichstag voltasse a sediar o parlamento - e foi aí que os caras decidiram expor as ofensas. Nem todas ficaram, mas há muitas, por todos os lados, algumas bem próximas à sala ocupada pelo chanceler federal - a Angela Merkel é obrigada a vê-las sempre que vai para seu gabinete. Lembrei de uma professora da faculdade, ela sempre dizia que, depois da expulsão dos ingleses, chineses discutiram o que fazer com uma enorme estátua de São Jorge plantada em Pequim. "Foi derrubada?", perguntei. "Não, ganhou iluminação especial, feérica, para que ninguém se esquecesse do invasor, da ocupação", respondeu. Os alemães fizeram mais ou menos isso. Ao expor os xingamentos soviéticos em seu próprio parlamento, na sede de seu poder, lembram aos cidadãos o tamanho da merda feita por seus antepassados, dos crimes, do genocídio. Ressaltam que, por conta das cagadas pretéritas, todos são obrigados a conviver com as palavras para lá de duras pichadas pelos soldados soviéticos, os mesmos que comandariam o estupro de milhões de mulheres alemãs. Melhor conviver com dores pretéritas do que vivê-las fisicamente, é importante lembrar para não repetir."


Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site