Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

abril 2018 Archives

Dona Ivone gira

separador Por Fernando Molica em 17 de abril de 2018 | Link | Comentários (0)

Perdi a conta das vezes em que, nessas tantas rodas, girei os braços para marcar os versos que viravam e reviravam meu avesso, que citavam a tristeza que rolara nos meus olhos e que afivelara o peito ferido pela faca-lâmina tão afiada, traduzida na música de Dona Ivone Lara e na letra de Hermínio Bello de Carvalho. Rodei tanto, pra lá e pra cá, idas e vindas, caminhos que iam, que voltavam, que se refaziam, que insistiam. Mas quem disse que te esqueço, mas quem disse que eu mereço? Um merecer, noto agora, dúbio: queixa que remete a uma dor imensa, mas também gozo que comemora, surpreso, um grande prazer - quem disse que mereço tanto? Desde que o samba é samba é assim, o samba roda, o samba gira, o samba é jira. Dona Ivone me ajuda a girar, a seguir.


ACM, Roberto Marinho e a reação ao discurso de Délio

separador Por Fernando Molica em 04 de abril de 2018 | Link | Comentários (0)

"Violento discurso de Délio provoca enérgica reações". A manchete, em cinco colunas e duas linhas, ocupava o alto da capa de 'O Globo' em 5 de setembro de 1984 e tratava de uma das mais importantes crises ocorridas no ocaso da ditadura.

Na véspera, em Salvador, o ministro da Aeronáutica, Délio Jardim de Mattos, desancara políticos governistas que se recusavam a apoiar Paulo Maluf, candidato oficial à sucessão do presidente Figueiredo e já na época associado a diversos casos de corrupção. O grupo, que formaria o PFL, aderira a Tancredo Neves, do PMDB.

Ao lado de Figueiredo e de Maluf. o brigadeiro chamou os dissidentes de "covardes" e "traidores", condenou os "conchavos com a esquerda incendiária".

Um dos tais dissidentes, Antônio Carlos Magalhães, ex-governador baiano, não refugou. Soltou uma nota violentíssima, disse que "trair a Revolução de 1964" era "apoiar Maluf para presidente". "Trair os propósitos de seriedade e dignidade da vida pública é fazer o jogo de um corrupto", continuou.

ACM lembrou a promessa de Figueiredo de transformar o país numa democracia. Frisou que não se faz democracia com ameaças inúteis, porque o povo não se intimida."

Ao lado do texto que acompanhava a manchete, o jornal publicou um editorial em que condenava o discurso de Délio, chegava a ironizar suas "metáforas de enigmática interpretação". 'O Globo' ressaltava que o ministro era "autoridade do Executivo e chefe militar" e não líder ou militante partidário.

O caso foi decisivo para consolidar a vitória de Tancredo, do PMDB, na eleição indireta. Reforçou também que os militares haviam mesmo abraçado a candidatura de um político nascido na ditadura e que desde sempre fora identificado com a corrupção. O verno "malufar" era então usado nas ruas como sinônimo de roubar.

Anos depois, repórter da 'Folha', conversei com Roberto Marinho sobre o episódio. Ele revelou que ele e o velho amigo ACM haviam combinado os termos da reação ao discurso de Délio.


Os nomes dos generais

separador Por Fernando Molica em 04 de abril de 2018 | Link | Comentários (0)

Comecei na profissão durante o governo do general João Baptista Figueiredo, o último da ditadura. Na época, era fundamental cobrir solenidades como as formaturas na Aman e as visitas dos ministros militares ao Rio (não havia Ministério da Defesa). Saíamos quase no tapa para conseguir declarações dos militares sobre o processo de abertura, eleições diretas. Ficávamos eufóricos com cada palavra arrancada. Até hoje sei os nomes dos ministros do Exército (Walter Pires), Marinha (Maximiano da Fonseca) e da Aeronáutica (Délio Jardim de Matos). Na sucursal do Estadão havia até um repórter, Helio Contreiras, especializado na cobertura de militares.

Pouco depois, fiz, para a Folha, uma grande matéria sobre o processo que gerou a Constituição de 1946, passei umas duas semanas internado na Biblioteca Nacional lendo jornais da época. Fiquei espantado como, naqueles tempos, era importante ouvir chefes militares. Jornais, com frequência, publicavam o que determinado general, almirante ou brigadeiro pensava sobre a política brasileira. E, ao contrário dos ministros do Figueiredo, os militares dos anos 1940 falavam muito. Falavam e agiam, como provam os movimentos que desaguariam em 1964.

Militares ainda foram personagens importantes na transição para o governo José Sarney, seguraram o tranco no impeachment de Collor. Ao longo das últimas décadas, demonstraram respeitar o poder civil, passaram a cuidar das funções inerentes à carreira. Durante cerca de duas décadas, a cobertura de solenidades militares deixou de ser relevante. Agora, em meio a sucessivas crises, militares rompem o silêncio e voltam a falar em voz alta, não se constrangem em tratar da situação política do país. Repórteres voltaram a ter que decorar nomes dos comandantes das Forças Armadas - não consigo achar isso bom pra ninguém, nem mesmo para os chefes militares.


BG
Arquivo do Blog
bullet maio 2020
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site