Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

Aimó e a rica mitologia que desconhecemos

separador Por Fernando Molica em 27 de outubro de 2017 | Link | Comentários (0)

Aimó.jpg

Terminei de ler o encantador 'Aimó - Uma viagem pelo mundo dos orixás', de Reginaldo Prandi (Seguinte). O livro, como ele frisa, não é religioso, trata de mitologia, "a maior mitologia viva do mundo", como ressalta em uma Nota do Autor. É impressionante como abrimos mão de estudar mitos tão bonitos, tão complexos, tão instigantes e tão presentes na nossa cultura, em nosso cotidiano. Ninguém precisa acreditar em Zeus e em Atena para conhecer a mitologia grega, o mesmo deveria valer para as culturas vindas da África.

Assim como os deuses gregos e romanos e diferentemente dos santos católicos, os orixás não buscam a perfeição. Como os humanos, matam, traem, seduzem, cometem injustiças. Pecadores? Não, não existe a noção de pecado, trabalha-se com a construção de vidas, de tomadas de decisões que, certas ou erradas, geram consequências. Vidas que podem ser revividas, do Aiê para o Orum (da Terra para o mundo dos orixás e dos espíritos), num ciclo interminável, cheio de beleza e de tentativas de explicar nossa presença por aqui.

O livro trata do percurso de Aimó, menina que morreu escravizada, sem deixar história, indigna, portanto, de ser lembrada e cultuada pelos que ficaram vivos. Depois de apelar a Olorum ("Senhor do infinito/ Ordena que Obatalá/ Faça a criação do mundo", belíssimo samba da Beija-Flor de 1978), ela é conduzida por Ifá e Exu (orixás detentores, respectivamente, da memória e do movimento/transformação) por um caminho que lhe levará ao conhecimento de outros orixás. Caminha para poder escolher a mãe/orixá capaz de viabilizar seu retorno ao Aiê.

No percurso somos apresentados a diferentes possibilidades de vida e de explicações, de tentativas de compreensão dos muitos mistérios que cercam a vida. Num momento em que tantos posam de donos de tantas virtudes e certezas, o livro - que, insisto, não é religioso, não busca converter ninguém - releva nossas limitações, mostra que nem deuses são capazes de lidar de maneira perfeita com todas as complexidades e contradições presentes em cada ser humano. Afinal, como diz Oxalá a Aimó, vida serve para viver.


Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site