Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

'Meu menino vadio' tem a força e a sinceridade da melhor ficção

separador Por Fernando Molica em 01 de fevereiro de 2017 | Link | Comentários (0)

Ainda não terminei de ler 'Meu menino vadio' (Intrínseca), livro em que o jornalista Luiz Fernando Vianna relata a delicadíssima relação com seu filho autista, o Henrique, um adolescente de 16 anos. De tão bom, o livro encarna um aparente paradoxo: expõe com tanta sinceridade vacilos, erros e mancadas do narrador (o próprio LFV) que parece até ficção. Tem um despojamento que raras vezes pode ser lido em obras que carregam o compromisso com a fidelidade aos fatos. Ainda mais no caso em que o autor narra a própria história, uma história pesada, cheia de dramas e caneladas.

Logo no subtítulo, Luiz Fernando deixa claro sua filiação ao sincericídio: 'Histórias de um garoto autista e seu pai estranho'. Como assim, "estranho"? Uma estranheza que acaba potencializada e se torna ainda mais visível com o nascimento de uma criança que, com o tempo, revelaria-se enquadrada no espectro autista.

E aí, o autor não deixa por menos. Apesar de todas as crises com a ex-mulher (que, munida de ordem obtida às escondidas num plantão judicial, carregara o filho para morar na Austrália!), declara, por escrito: "Esta não é uma história de mocinho e vilão. Henrique não é vítima de um destrambelhamento unilateral, mas de duas pessoas com fraturas psíquicas e de caráter". Atire a primeira página quem já tiver lido tamanha exposição das próprias vísceras num relato de não-ficção.

E que tal este trecho aqui?

"Se eu queria ter um filho autista? Não. Deixaria de ter se a ciência permitisse saber do diagnóstico ainda na gestação? Sim. O que a convivência com ele me proporciona mais: prazer ou angústia? Angústia. Ainda assim, amo meu filho? Mais do que qualquer palavra pode traduzir".

Na ficção, nos protegemos mais. Uma vez, numa entrevista, uma repórter de um jornal baiano reclamou de citações pouco elogiosas à axé music que encontrara no 'Notícias do Mirandão'. Eu saí pela tangente: a verborragia era do personagem, não minha. Na ficção, misturamos/inventamos/reciclamos fatos, disfarçamos confissões, temos mais chances de expor falhas/erros/canalhices cometidas por nós mesmos ou por pessoas próximas (a velha história-chavão de, aqui e ali, fingir a dor que deveras sentimos).

Nos últimos anos, tenho repetido que, ao contrário do que imaginei ao lançar meu primeiro romance, o trabalho jornalístico não tem nada a ver com o ato de escrever ficção. Naquele, nos subordinamos aos fatos, ao que pode ser comprovado (Sérgio Cabral, por exemplo, é tecnicamente inocente até ser condenado). Tamanha responsabilidade nos impede, muitas vezes, de dizer o óbvio. Na ficção é mais complicado recorrer a subterfúgios, eufemismos, usar de maneira ilimitada a palavra "suposto" (ladrão, corrupto, assassino). Na ficção é mais difícil enganar e mentir.

Em 'Meu menino vadio', LFV consegue a proeza de unir o rigor jornalístico a uma sinceridade de ficcionista que trata de personagens inventados. O resultado é muito impactante. O livro não é apenas sobre um pai e seu filho autista, mas sobre pais e filhos, sobre relações que envolvem amor e carinho, sobre todos que somos - admitamos - muito estranhos. Trata de expectativas que cultivamos em relação a pessoas que tanto amamos, pessoas que nem sempre são como achamos que elas seriam. E daí? Nós também não somos o que gostaríamos mesmo de ser.


Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site