Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

Pitacos municipais 6 - Paes e a imagem de Paes

separador Por Fernando Molica em 05 de setembro de 2016 | Link | Comentários (0)

Eduardo Paes usou o Twitter para reclamar de Marcelo Crivella - o candidato do PRB tem dito que o prefeito priorizou obras na Zona Sul. "Me conta quais, Bispo", provocou o chefe do executivo municipal.

O problema de Paes é uma palavra - percepção - que costuma aterrorizar os melhores marqueteiros. A insistência com que Crivella toca no assunto permite supor que pesquisas qualitativas indicam que boa parte do eleitorado identifica o prefeito com o universo da Zona Sul.

Este tipo de percepção complica a vida de muita gente: o PT do Rio, apesar do discurso favorável aos pobres e oprimidos, era visto como um partido representante de uma determinada elite, aquela que circula entre a Tijuca e Botafogo e tem Laranjeiras como capital. A última pesquisa do Ibope demonstra que o mesmo problema afeta a candidatura de Marcelo Freixo (Psol), que tem baixíssimos índices entre os mais pobres.

Usando o mote daquela velha e racista marchinha de Carnaval, a cara e o jeito de Paes não negam que ele - branco, alto, meio louro, ex-aluno da PUC - é filho da área mais privilegiada da cidade. A entrada na política pelas mãos de Cesar Maia e a ligação com Sérgio Cabral também reforçam a imagem de quem tem compromissos com uma elite política e, como diria Elio Gaspari, com o andar de cima da pirâmide social.

O prefeito tenta desconstruir esta imagem. Procura reforçar sua identificação com o universo do samba (não há como duvidar de sua preferência pelo nosso mais importante gênero musical), não perde a chance de listar as obras feitas nas zonas Norte e Oeste da cidade.

Seria injusto dizer que ele priorizou a Zona Sul; de obras relevantes nesta área da cidade só consigo me lembrar da ciclovia, a que caiu. Mas os diversos casos de remoções de habitações populares e episódios como aquele em que o prefeito - homem branco, representante da elite - sugeriu a uma cidadã - negra, moradora de favela - que trepasse muito acendem uma espécie de luz amarela na cabeça de muitos e muitos cariocas.

Nesses casos, parece aflorar um sinhozinho que teima em habitar um canto da alma de Paes. O mesmo sinhozinho que sugeriu ao prefeito que, na inauguração da primeira leva de obras no Porto, discursasse ao lado de um ator caracterizado de Pereira Passos, prefeito que modernizou a cidade e aprofundou sua segregação ao remover milhares de pessoas que viviam no caminho da futura Avenida Central, hoje, Rio Branco.

Vivemos, numa cidade hierarquizada pela própria natureza, marcada por profundas diferenças sociais e por constantes e infindáveis manifestações de preconceito. O Rio, que, como frisou a Flávia Oliveira em artigo no 'Globo', guarda toda a desigualdade do mundo.

Moradores de subúrbios, de áreas mais pobres da cidade, conhecem muito bem o peso da discriminação, sabem como o CEP de suas casas determina a maneira como são vistos. Evangélicos, que estão no foco de Crivella, também são muito sensíveis ao discurso do preconceito. Apesar de sua força social e política, consideram-se discriminados, incompreendidos, repetem o discurso de que, como Jesus, são vítimas de um poder dominante.

Arrisco dizer que, apesar de todas as obras nas áreas pobres da cidade, Paes continua a ser visto pela elite como um dos seus. Os investimentos além-túnel (expressão que demonstra a força do preconceito entre nós) seriam encarados por seus companheiros de classe social como uma espécie de concessão necessária, um jeito de manter os pobres em seus devidos lugares.

Há uns três/quatro anos, testemunhei, numa livraria do Leblon, numa fila de lançamento de livro, uma mulher de uns 70 anos dirigir-se ao prefeito para reclamar da construção da estação Nossa Senhora da Paz do metrô. Alegou que, depois de inaugurada, a obra levaria "aquele pessoal" - os pobres de sempre - para Ipanema.

Constrangido, Paes saiu-se muito bem. Ressaltou que a obra era do governo estadual e que, caramba, a cidade era de seus moradores, todos tinham o direito de ir a qualquer lugar. Mas a corretíssima resposta não elimina o fato de que a tal moradora teve confiança de reivindicar algo tão absurdo. Fez isso por achar que Paes era um dos seus, jamais teria coragem de falar algo assim para o Lula. Guiou-se por sua percepção, pela identificação simbólica do prefeito com uma determinada classe social. A mesma percepção que Crivella procura estimular.


Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site