Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

Olhar sem câmera

separador Por Fernando Molica em 18 de setembro de 2016 | Link | Comentários (0)

Em pelo menos dois grandes momentos da minha vida eu agi como a velhinha que, em foto que caiu nas redes, preferiu observar uma cena ao invés de fotografá-la - ela está cercada de pessoas que tentam registrar aquele instante com o celular.

Quando meu primeiro filho nasceu, era moda filmar os partos. As câmeras VHS se proliferavam, a presença dos pais nas salas de parto tornara-se corriqueira, era um jeito que, nós, homens, havíamos encontrado para não ficar de fora da festa. Estarmos ali era um jeito de também parir.

Na época, não sei como é hoje, havia casais que não se contentavam em deixar com o pai a tarefa de registrar o parto e chegavam a contratar cinegrafistas especializados na tarefa. A banalização das ultrassonografias e das cesáreas contribuía para a dessacralização daquele momento que, historicamente, era impregnado de dúvidas e apreensões.

A ida para o centro cirúrgico passou a ser apenas o detalhe final de um jogo com resultado conhecido, sabia-se por antecipação o sexo do bebê, os avanços da medicina fizeram com que possibilidade de algo dar errado se tornasse quase desprezível. Assim, meio que descontextualizado, o parto perdia um pouco de seu caráter único, insubstituível, milagroso - o instante em que uma nova vida, severina que seja, brota do corpo de um ser humano, momento que dá aos mortais a ousadia de uma comparação com Deus. O nascimento prova que mesmo os que não creem podem criar vida.

Como na brincadeira com baianos e sua suposta vocação para o mundo do espetáculo, o parto passou a ser encarado como estreia. O filho deixaria de ser visto com um complexo e indefinível resultado de mistérios, mas como o singelo produto de uma atividade fisiológica, fruto dos esforços e talentos de um homem e de uma mulher. É como se o discreto corte na barriga fosse substituído pelo gesto de abrir as cortinas de um palco.

Na época, aos 26 anos, não pensei nisso tudo, a lógica da espetacularização não era tão evidente, mas sabia que queria ver aquele momento com meus olhos, não admitia que, além das necessárias lentes de contato (tenho quase oito graus de miopia), houvesse qualquer outra intermediação entre mim e aquele instante, repito, único e milagroso.

Não queria uma tela ou aparelho me separasse da fração de segundo em que seria surpreendido pela vida que eu ajudara a criar. Sequer sabíamos o sexo do bebê, a médica não vira razão para pedir uma ultrassonografia. Também nem pensar na ideia de colocar um profissional para registrar uma cena tão íntima, seria absurda invasão de privacidade.

Assim, com meus próprios olhos, é que acompanhei o nascimento dos meus dois filhos. Não havia câmera, qualquer intermediação, não tinha que me concentrar no foco ou no enquadramento - a preocupação era com a mãe e com os filhos. Ainda que cercados de cuidados, ela e eles estavam sós, entregues aos mandamentos e riscos da natureza; eu tinha que, pelo menos, ser solidário com tamanho desprendimento, não podia filtrar o que se passava nem me apoiar numa máquina. De certa forma, também me despia.

Depois, quando me perguntavam se não havia gravado os partos - como assim?!? -, limitava-me a responder que sim, claro que aqueles instantes haviam sido gravados. Estão mais do que registrados, impregnados em minha memória, em minha vida, ficarão para sempre, para além de mim. Meninos, eu vi.


Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site