Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

O presidente biônico

separador Por Fernando Molica em 01 de setembro de 2016 | Link | Comentários (2)

Michel Temer deixou de ser um presidente interino para se transformar num presidente biônico. Repete assim a trajetória dos senadores sem-voto que, na ditadura, enriqueceram nossa coleção de casuísmos políticos.

Em 1977, preocupado com a repetição da derrota eleitoral de 1974, quando o MDB conseguira 16 das 22 vagas em disputa para o Senado, o general-presidente Ernesto Geisel fechou o Congresso e baixou o que seria conhecido como o Pacote de Abril. Entre as medidas, a que transformava em indireta a escolha de metade dos senadores em 1978, quando cada estado elegeria dois representantes.

Os senadores sem-voto seriam eleitos por colégios eleitorais formados pelas assembleias legislativas e por representantes de câmaras municipais, mecanismo que permitia ao governo saber o resultado da partida antes mesmo de seu início. Os escolhidos para receber o cargo de senador foram logo apelidados de "biônicos", referência à série 'O homem de seis milhões de dólares', em que o ator Lee Major interpretava Steve Austin, um astronauta que, depois de um grave acidente, teve o corpo reconstituído graças à implantação de dispositivos eletrônicos que aumentavam sua força.

Apesar da existência, na época, de uma confraria de biônicos - presidente, governadores e prefeitos das capitais e de algumas outras cidades eram escolhidos pelo voto indireto - a ditadura inovava ao levar a mesma lógica para o Poder Legislativo. Uma ditadura que prezava as aparências, ao longo de seus 21 anos, manteve eleições, insistia que não deixava de cumprir a Constituição, ainda que esta pudesse ser modificada sem consulta ao Congresso. Havia uma "democracia relativa", como a definiu o próprio Geisel.

Muitos poderão alegar que Temer não se encaixa no figurino de biônico por ter sido eleito juntamente com Dilma. O problema é que ele, ao integrar a chapa, comprometera-se com um determinado programa. Um ano depois da reeleição, o peemedebista, já engajado na destituição da titular, apresentou uma outra proposta de governo. Para ficar na lógica do homem-máquina: o hardware, o próprio Temer, era o mesmo; mas o software tinha características opostas às do original. A programação foi toda mudada.

Ao conspirar de forma aberta contra a então presidente, Temer rompeu com a chapa e com os eleitores que haviam votado num determinado programa. Agiu como o Hal, o computador de '2001, uma odisseia no espaço' que se rebelou contra os astronautas, seus parceiros de viagem.

O processo que levou à defenestração de Dilma não foi exatamente um impeachment - desde o início ficou claro que, mais do que afastar a presidente, havia a proposta de se implantar um novo programa de governo. Temer, ao contrário de Itamar Franco no caso Collor, não agiu como o substituto constitucional da presidente, mas como seu adversário.

Ele transformou rito do impeachment em campanha eleitoral, fez do Palácio do Jaburu um comitê para receber deputados e senadores que viabilizariam sua ascensão ao Planalto. Prometeu, negociou cargos, assumiu compromissos em troca de votos - agiu como quem disputava uma eleição indireta.

Na última quarta-feira, 27 anos depois da primeira eleição direta para presidente depois da ditadura, o plenário do Senado - o mesmo que recepcionou os biônicos - não recebeu os encarregados de julgar Dilma, mas os integrantes de um colégio eleitoral como aqueles que, há algumas décadas, ungiam governantes e senadores. O programa de Temer, assim, chega ao Palácio do Planalto com o voto de apenas 61 pessoas, técnicos que aprovaram o projeto do novo ciborgue.


2 Comentários Enviados

Ricardo, você, claro, tem todo o direito de discordar de mim. No texto, explico a razão de não considerar esta sucessão assim tão natural, afinal, o Temer quer implantar um programa de governo que não foi submetido ao voto popular. Mas, enfim, respeito sua opinião. Mas, não entendi quem são o "vocês" que você cita. O texto é apenas meu, não foi escrito com outra pessoa. Boas ou ruins, relevantes ou irrelevantes, são as minhas opiniões. Muita gente pode ter pensamentos parecidos com os meus ou com os seus, mas é bom que, até por uma questão de respeito pelas ideias alheias, tratemos os outros individualmente.

separador

Presidente biônico só na imaginação de vocês. Na vida real, Michel temer é o único que tem legimidade para governar o país na ausência ou deposição de Dilma. Legimidade esta dada pelos próprios eleitores de Dilma. https://www.youtube.com/watch?v=PLvSnsj77Ak

separador

Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site