Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

Deu bode no concerto do Elomar

separador Por Fernando Molica em 12 de setembro de 2016 | Link | Comentários (3)

ELOMAR.jpg

O compositor e cantor Elomar provocou alguns aplausos, muitas vaias e um coro de 'Fora Temer' no encerramento de seu concerto, na noite deste domingo, na Sala Cecília Meireles.

Ao final da apresentação, que contou com a Orquestra Sinfônica Nacional da Universidade Federal Fluminense, Elomar, aplaudido de pé, fez agradecimentos e recitou trechos do Hino à Bandeira. Em seguida, afirmou que a bandeira nacional jamais seria vermelha.

A declaração gerou poucos aplausos que, em seguinda, foram sufocados por vaias. Logo depois, a maior parte do público iniciou o grito de 'Fora Temer'. O músico, que é fazendeiro e cria bodes no interior da Bahia, evitou novas declarações de teor político e, em seguida, deixou o palco.


3 Comentários Enviados

Estou com Elomar. O verde e amarelo não pode ser jamais substituído pelo vermelho (uma bela cor, de fato) de ideologias fracassadas nos corredores da História. O Brasil precisa ser passado e limpo e posições ideológicas de qualquer matiz não podem servir de blindagem para as quadrilhas de corruptos que nos assolam. Viva Elomar e Viva o Brasil!

separador

Eu estava lá ontem, na gloriosa Sala Cecília Meireles.
Foi um comentário bastante infeliz, feito por um grande artista.
Porém, como estamos em uma democracia, "quem diz o que quer, ouve o que não quer.
É importante que fique claro que as vaias foram para a ideologia do Elomar e não para a sua arte.
Curioso é saber que toda a obra do artista tem o sentido de fortalecer a nossa cultura, sobretudo a mais genuína, a do sertão, do coração do Brasil.
O presidente (ilegítimo) Temer, então "interino", teve como uma de suas primeiras ações, a extinção do Ministério da Cultura, só recolocando-o de volta após inúmeras manifestações populares e da classe artística. Esse "governo da bandeira verde e amarela" não tem apreço verdadeiro pela Cultura; o que o governo "da bandeira vermelha" sempre teve, desde que foi eleito legitimamente, e criou o MINISTÉRIO DA CULTURA,separado da Educação.
Acho que o Elomar não sabe do que estava falando. Que ele continue compondo e cantando, trazendo a voz do sertão para os nossos corações, que isso ele sabe fazer muito bem, ora se sabe!!!!

separador

Boa tarde!!! Eu estava no show de ontem e, é uma prova de como a desconstrução de mitos produz todo tipo de reações e emoções. Em mim, produziu profunda decepção, sobretudo porque Elomar carrega em suas canções, personagens e elementos do sertão que estão sob severas dores, frente ao achincalhamento recente e profundo de nossa democracia. Outra coisa: ele tem todo o direito de expressar o que defende e acredita. O que me resta, é olhar toda sua obra, a partir de agora e, a mim, lamentavelmente, num outro sentido. Crendo que parte significativa de sua genialidade musical, não condiz com seu modelo oligárquico de ver o Brasil e pensar o mundo. Tudo começou a me incomodar bastante a partir do instante que começou-se uma sutil neo pentecostialização desnecessária, com apologias diretas entre sua antífona 11 e o pentateuco bíblico como fonte inspiradora. Aí já começou meu estranhamento. Só que, com todo respeito a magnifica obra desse senhor genial em suas composições, não poderia imaginar que o pior estava por vir. Ao encerrar o show com os agradecimentos convencionais (com péssimo som na sala Cecília Meireles, diga-se de passagem), Elomar aventurou-se a falar da resistência do Rio de Janeiro por causa da força do chorinho. Em seguida, vilipendiando a diversidade geral do público e subestimando a nocividade do golpe na cultura, bradou ao fim do verso do hino nacional "... Brasil, de amor eterno seja símbolo
O lábaro que ostentas estrelado
E diga o verde-louro dessa flâmula..." E EMENDOU: "...TEM GENTE AÍ QUERENDO TRANSFORMAR ESSE VERDE DA NOSSA BANDEIRA PELO VERMELHO". OU SEJA, a visão do latifundiário ruralista ante aos movimentos de reforma agrária em um dos países com maior concentração de terras do mundo. ISSO FOI O OCORRIDO. LAMENTÁVEL!!!!

separador

Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site