Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

O necessário olhar estrangeiro

separador Por Fernando Molica em 30 de junho de 2016 | Link | Comentários (0)

A repercussão internacional dos perrengues pré-olímpicos - poluição na baía e na Lagoa, violência, zika, possibilidade de a Linha 4 do metrô não ficar pronta a tempo - deve ser vista não com arroubos patrióticos, mas como uma espécie de contribuição involuntária.

Sempre ressaltei que nós, jornalistas, nunca deveríamos perder uma espécie de olhar estrangeiro, um jeito de ver nossa realidade que a torna surpreendente, aqui e ali inconcebível. Devemos nos comportar como visitantes não acostumados com a miséria, com as profundas desigualdades, com a corrupção, com as armas de guerra nas mãos de bandidos, com taxistas que não perdem a chance de enrolar turistas.

Isto, da mesma forma que nós, brasileiros, nos assustamos com os atendentes de padaria de Paris que, embora impecavelmente vestidos, manipulam dinheiro e pães sem lavar as mãos. Achamos engraçada a deferência dos indianos às vacas, nos surpreendemos com as marcas do apartheid na África do Sul (também ficamos espantados com ótimos exemplos, como o respeito às faixas de pedestres, com os ônibus que passam em horários pré-definidos, com as eficientes redes de metrô, com o preço dos vinhos em Portugal).

Voltando aos nossos gringos. Até por conta de nosso passado colonial, tendemos a dar um excesso de importância ao que os estrangeiros falam de nós, já teve gente irritada até com cobras e macacos que, num episódio dos Simpsons, circulavam pelas ruas brasileiras. Outros não perdoam as críticas que boa parte da imprensa internacional fez ao processo de impeachment, como se colegas de publicações importantes fossem idiotas ou petralhas.

Cada um analisa uma determinada realidade com seus próprios olhos - o que dizem de nós não pode ser visto como uma sentença irrecorrível, mas apenas como um olhar diferenciado, que vale a pena conhecer. E, por conta disso, é bom notar o susto de tanta gente com mazelas que, de tão antigas, acabaram sendo incorporadas ao nosso cotidiano, já não nos espantam (há uns 20 anos, foi preciso que o Betinho, recém-chegado do exílio, proclamasse que não era razoável deixarmos que tantos brasileiros não tivessem o que comer - muitos achavam a situação absolutamente normal).

Da mesma forma que não nos espantamos com o crescimento dos filhos que vemos todos os dias, nem com o progressivo embranquecimento de nossos cabelos, tendemos a ignorar o agravamento de problemas como a poluição da baía, a violência, a quantidade de gente vivendo em condições precárias. Nada como o susto dos gringos para frisar que cidade boa para turistas e visitantes é aquela que é boa para seus moradores.


Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site