Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

E viva Jorge Amado

separador Por Fernando Molica em 22 de junho de 2016 | Link | Comentários (0)

Outro dia, o Marcelo Moutinho me repassou aquela proposta de citar autores - acho que dez - que me influenciaram como escritor. Até para que os relacionados não viessem reclamar e protestar inocência (a maioria já morreu, não quero saber de fantasmas), não entrei na brincadeira. Seria complicado também restringir a escritores a possibilidade de alguma influência nos meus livros.

Mas ontem fui a uma palestra da Ana Maria Gonçalves, organizada pelo Antônio Torres, sobre o imaginário de Jorge Amado. E lá foi comentada uma resistência de setores da crítica ao autor de 'Gabriela, cravo e canela'. Então, revelo: o baiano não é meu autor brasileiro favorito (só entre os mortos, eu citaria, pra começo de conversa, Machado de Assis e Graciliano Ramos), mas foi um dos responsáveis pelos meus primeiros deslumbramentos com a literatura, por alguns grandes prazeres na companhia de um livro.

Ontem, o Torres leu um texto muito legal que o Augusto Nunes publicou, no Caderno 'Ideias', do JB, sobre o Jorge Amado, aí vai:

"Poucos ficcionistas dominaram tão completamente quanto Jorge Amado a arte de inventar gente. Os personagens do escritor baiano, inspiradores de ilustrações magníficas, transformaram o leitor em diretor de elenco. Além de nome, têm cores e cheiro. Têm até corpo e rosto. Às vezes, existem. Gabriela, por exemplo, tem cor de canela, cheiro de cravo e virou gente com o nome de Sônia Braga."

É isso, Jorge Amado inventou muita gente, cuja existência não pode ser negada. Claro que Gabriela, Nacib, Vasco Moscoso de Aragão, Quincas Berro d'Água e Pedro Bala existem, sabemos disso. Mais até: ele, de certa forma, inventou a Bahia, nos apresentou e nos fez íntimo de uma terra tão pouco conhecida quando ele começou a publicar seus romances.

Uma apresentação recheada de críticas ao racismo, às injustiças - temas tratados de forma meio esquemática em seus primeiros livros, mas que, aos poucos, foram sendo integrados de maneira mais orgânica aos seus romances. Lembro que, na adolescência, quando precisava de autorização dos meus pais para pegar livros de Jorge Amado no Colégio Metropolitano, no Méier, havia quem fizesse uma crítica de viés feminista ao autor. Dizia-se que ele tratava as mulheres de maneira machista e seu culto à beleza e ao fervor sexual de negras e mulatas poderia ser visto como uma herança da visão da Casa Grande.

Eu prefiro achar que ele nos ajudou a reconhecer a beleza de um povo mestiço, misturado. Seus livros colaboraram para reforçar a ideia de a mulher mais bonita poderia ser uma negra, uma mulata. Mulheres fortes, lutadoras, que, como Tereza Batista, enfrentavam quem tentava estuprá-las.

Jorge Amado também tem um papel importantíssimo ao ressaltar a tolerância religiosa, o respeito que demonstra pelas religiões de matriz africana, em especial, pelo candomblé, é fundamental. Ele soube muito bem abordar a importância destas religiões e de seus mitos - ler seus livros é também uma forma de protestar contra as agressões à fé. Além disso tudo, o cara era um grande contador de histórias, escrevia como se escrever fosse simples - isto não é tudo, mas não é pouco.


Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site