Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

Os olhos bem abertos da Justiça

separador Por Fernando Molica em 05 de maio de 2016 | Link | Comentários (1)

A segunda instância do Judiciário fluminense transformou em prestação de serviços comunitários a pena do sujeito que fez pega num túnel interditado, atropelou e matou um jovem e, com a ajuda do pai, subornou PMs. Ele, fica a sugestão, bem que poderia prestar serviços comunitários a outros criminosos - poderá, por exemplo, ensiná-los a driblar a Justiça.

A Justiça paulista deixou que a mulher condenada por matar os pais possa comemorar nas ruas o Dia das Mães - como destacou o Meia Hora, é o caso de liberar o ex-goleiro Bruno no Dia dos Namorados.

E o ministro Teori, do STF, conclui, quase cinco meses depois do pedido de afastamento feito pelo Janot, que o Cunha é feio, bobo e cara de mamão. Conclusão sacramentada depois de o presidente da Câmara atuar de forma decisiva para derrubar a Dilma e garantir o aumento do Judiciário.

Por conta das sucessivas trapalhadas e roubalheiras promovidas por integrantes do Executivo e do Legislativo, tendemos a ser mais complacentes com o Judiciário, um poder que sabe cuidar de suas aparências, de seus rituais. É como se seus integrantes estivessem acima dos homens e mulheres comuns, como se aquelas capas pretas os preservassem os pecados e das tentações que nos cercam. A frase "A Justiça decidiu!" é sempre exclamativa, pronunciada em tom de verdade absoluta.

Besteira, trata-se do único poder constituído sem voto popular - basta passar num (difícil) concurso para o sujeito poder mandar prender e mandar soltar. Ainda muito jovens, os caras passam a ter poderes absurdos, e salários recheados de vantagens, de penduricalhos. A nomeação de desembargadores e de ministros de tribunais superiores é um processo tão político quanto qualquer outro, os candidatos são obrigados a fazer campanha eleitoral, a buscar votos entre aqueles que têm o poder de nomeá-los.

Fiscalizar o Judiciário é mais complicado. Ao contrário do que ocorre nos outros poderes, todos são do mesmo partido, uma lógica que favorece uma troca de favores que seria encarada de forma escandalosa se tivesse lugar no Executivo ou no Judiciário.

O Judiciário é tão político quanto o Executivo e o Legislativo. Só que exerce seu poder de maneira mais inteligente, e com os olhos bem abertos.


1 Comentários Enviados

Prezado Fernando, lamento tomar conhecimento do teu Blog somente hoje 26/05/2016, através do Tijolaço. Serei leitor assíduo, prometo. Gostei muito. Abraço

separador

Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site