Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

novembro 2015 Archives

Julio Reis em Goiânia

separador Por Fernando Molica em 21 de novembro de 2015 | Link | Comentários (0)

Hoje cedo fui surpreendido com esta ótima notícia. O pianista Chico Chagas fará daqui a pouco, em Goiânia, concerto cmo obras de Julio Reis. Bom saber que a obra do JR, que ficou tanto tempo esquecida, está circulando, sendo executada e ouvida. Aqui, o link com informações sobre o recital: http://www.oquerola.com/revista/concertos-do-sesc-partituras-apresenta-chico-chagas-toca-julio-reis/


O samba que desfila na Tiradentes

separador Por Fernando Molica em 03 de novembro de 2015 | Link | Comentários (0)

Quem é de sambar não pode deixar de dar uma chegadinha no Teatro João Caetano, na Praça Tiradentes, para ver 'Sambra', musical escrito e dirigido por Gustavo Gasparani, que também encabeça o elenco. Apesar do nome -- uma óbvia referência ao patrocinador da peça disfarçada de alusão ao nome do país --, o espetáculo, uma baita produção, cumpre com louvor a missão impossível de contar a história do ritmo que melhor nos representa e define.

Diante da dificuldade de fazer um resumo de algo tão poderoso e rico, Gasparani saiu pela tangente. Apresentou o processo de formação do samba -- os pioneiros que se reuniram em torno de Tia Ciata -- e correu para abraçar figuras e momentos fundamentais de nossa música.

Assim, levou para o palco blocos temáticos que nem sempre respeitam a cronologia: faz todo sentido apresentar 'A voz do morro' (Zé Keti) e 'Agoniza mas não morre' (Nelson Sargento) lá no início. Em feitio de manifesto, as canções, compostas quando o samba já era um senhor de idade, dialogam bem com as que marcaram presença no nascimento do estilo.

Outros blocos tratam do samba-exaltação, de um encontro poético de Noel Rosa com Martinho da Vila (a imitação de Alan Rocha é espetacular, digna dos aplausos que ele recebe em cena aberta), da Bossa Nova, da canção de protesto, do samba-canção. Quem, como eu, for mangueirense deve passar antes na farmácia e comprar um daqueles pacotes de lenços de papel para poder encarar com algum garbo o desfile de composições de Cartola, Nelson Cavaquinho, Carlos Cachaça e Guilherme de Brito. Melhor, qualquer pessoa que não carregue uma pedra no peito deve levar o pacote de lenços. É difícil imaginar algo mais bonito e emocionante.

O musical termina com referências às escolas de samba e às rodas que reúnem músicos, bêbados, vagabundos e doutores em tantas esquinas da cidade -- dá vontade de ficar por ali mesmo, pedir uma cerveja e varar a madrugada ao som de clássicos feitos à sombra da tamarineira do Cacique de Ramos. Desejo de, no final do espetáculo, levar todo mundo -- músicos, atores, técnicos, público -- para a praça ali em frente. E, lá, sem microfone ou roteiro, ouvir e cantar mais e mais. Cantar as músicas que estão no repertório e as que ficaram de fora ( como 'O samba do Irajá' e outras tantas do Nei Lopes). A Tiradentes, antigo Rossio, viraria assim o Renascença, o Bip-Bip, a Ouvidor, a Feira das Yabás, o Terreiro de Crioulo, o Ponto Chic, o Candongueiro, a Pedra do Sal. Lugares de samba e de culto, de exercício do nosso dom.

(Coluna Estação Carioca, O DIA, 02/11)


BG
Arquivo do Blog
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site