Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

novembro 2015 Archives

Julio Reis em Goiânia

separador Por Fernando Molica em 21 de novembro de 2015 | Link | Comentários (0)

Hoje cedo fui surpreendido com esta ótima notícia. O pianista Chico Chagas fará daqui a pouco, em Goiânia, concerto cmo obras de Julio Reis. Bom saber que a obra do JR, que ficou tanto tempo esquecida, está circulando, sendo executada e ouvida. Aqui, o link com informações sobre o recital: http://www.oquerola.com/revista/concertos-do-sesc-partituras-apresenta-chico-chagas-toca-julio-reis/


O samba que desfila na Tiradentes

separador Por Fernando Molica em 03 de novembro de 2015 | Link | Comentários (0)

Quem é de sambar não pode deixar de dar uma chegadinha no Teatro João Caetano, na Praça Tiradentes, para ver 'Sambra', musical escrito e dirigido por Gustavo Gasparani, que também encabeça o elenco. Apesar do nome -- uma óbvia referência ao patrocinador da peça disfarçada de alusão ao nome do país --, o espetáculo, uma baita produção, cumpre com louvor a missão impossível de contar a história do ritmo que melhor nos representa e define.

Diante da dificuldade de fazer um resumo de algo tão poderoso e rico, Gasparani saiu pela tangente. Apresentou o processo de formação do samba -- os pioneiros que se reuniram em torno de Tia Ciata -- e correu para abraçar figuras e momentos fundamentais de nossa música.

Assim, levou para o palco blocos temáticos que nem sempre respeitam a cronologia: faz todo sentido apresentar 'A voz do morro' (Zé Keti) e 'Agoniza mas não morre' (Nelson Sargento) lá no início. Em feitio de manifesto, as canções, compostas quando o samba já era um senhor de idade, dialogam bem com as que marcaram presença no nascimento do estilo.

Outros blocos tratam do samba-exaltação, de um encontro poético de Noel Rosa com Martinho da Vila (a imitação de Alan Rocha é espetacular, digna dos aplausos que ele recebe em cena aberta), da Bossa Nova, da canção de protesto, do samba-canção. Quem, como eu, for mangueirense deve passar antes na farmácia e comprar um daqueles pacotes de lenços de papel para poder encarar com algum garbo o desfile de composições de Cartola, Nelson Cavaquinho, Carlos Cachaça e Guilherme de Brito. Melhor, qualquer pessoa que não carregue uma pedra no peito deve levar o pacote de lenços. É difícil imaginar algo mais bonito e emocionante.

O musical termina com referências às escolas de samba e às rodas que reúnem músicos, bêbados, vagabundos e doutores em tantas esquinas da cidade -- dá vontade de ficar por ali mesmo, pedir uma cerveja e varar a madrugada ao som de clássicos feitos à sombra da tamarineira do Cacique de Ramos. Desejo de, no final do espetáculo, levar todo mundo -- músicos, atores, técnicos, público -- para a praça ali em frente. E, lá, sem microfone ou roteiro, ouvir e cantar mais e mais. Cantar as músicas que estão no repertório e as que ficaram de fora ( como 'O samba do Irajá' e outras tantas do Nei Lopes). A Tiradentes, antigo Rossio, viraria assim o Renascença, o Bip-Bip, a Ouvidor, a Feira das Yabás, o Terreiro de Crioulo, o Ponto Chic, o Candongueiro, a Pedra do Sal. Lugares de samba e de culto, de exercício do nosso dom.

(Coluna Estação Carioca, O DIA, 02/11)


BG
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site