Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

A ditadura dos personagens

separador Por Fernando Molica em 20 de outubro de 2015 | Link | Comentários (0)

Outro dia, o Sérgio Rodrigues publicou um post bem legal (http://todoprosa.com.br/o-personagem-so-faz-o-que-quer-ah.../...) em que discute a autonomia dos personagens numa obra de ficção. Até que ponto, afinal, o autor se vê escravo de suas criaturas?
Como ele, eu também achava que o tal poder dos personagens não passava de conversa fiada de escritores, algo que dava assunto para entrevistas, que estimulava a imaginação dos jornalistas e leitores, que acrescentava algum charme à tarefa de escrever. Isto, até começar a escrever meu primeiro romance, o 'Notícias do Mirandão', que seria lançado em 2002.

Durante o processo, descobri que - Caramba, é verdade! - autores acabam presos aos personagens, impedidos de obrigá-los a dar saltos mortais, duplos twists carpados. O desenrolar da trama nos obriga a respeitar características básicas dos caras, a evitar o que o Augusto Boal chamava de "mágica" - pela lógica do seu Teatro do Oprimido, espectadores podiam/deveriam interromper a peça para mudar a trama. Tudo era possível, desde que as intervenções respeitassem a lógica do texto. Quando havia uma proposta absurda (a chegada de ETs numa festa, por exemplo), Boal interrompia a cena e gritava : "Stop, c'est magique."

Ao escrever o 'Mirandão' procurei tornar a história crível, verossímil, capaz de envolver o leitor, fazer com que ele não largasse o livro por conta de algo absurdo, algo que indicasse uma forçada de barra. Respeitei muito os personagens.
Logo depois, porém, resolvi transformar em livro reportagens que fizera para o Fantástico sobre o Antonio Expedito Carvalho Perera, um personagem espetacular, um ex-militante de extrema direita que vira advogado da VPR, hospeda Lamarca em casa, é preso, torturado, banido. Um sujeito que, na Europa, vira cúmplice do Carlos/Chacal - então o terrorista internacional número 1 - e, depois, representante do PCB na Itália.
Uma história absurda, cheia de reviravoltas, algo difícil de ser engolido numa ficção. Mas, como no filme do Welles, era tudo verdade.

E aí, como fica aquela história lá de cima? O cara teve uma vida inverossímil, mas tudo aquilo ocorrera. Aquilo tudo e muito mais, que, na época, não consegui apurar. Mergulhar na vida do Perera para escrever 'O homem que morreu três vezes' foi fundamental para este autor de ficção. Aprendi que o respeito à lógica do personagem não deve impedir o ficcionista de trabalhar com algo muito humano, a imprevisibilidade que existe em cada um de nós. Todos podemos surpreender.

Personagens são tinhosos, ao tentar mandar no escritor eles, muitas vezes, podem estar apenas tentando impedir que possamos conhecê-los melhor e, assim, expor suas mazelas. De vez em quando, vale dar um passa fora nesses atrevidos.


Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site