Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

Os momentos que não têm fim

separador Por Fernando Molica em 29 de junho de 2015 | Link | Comentários (0)

Estação Carioca, O DIA, 20/4.

Momento, dizem os dicionários, é algo breve, instantâneo, um quase nada. Algo tão fugaz que você não conseguiria chegar a este ponto do texto num singelo, único, rápido e passageiro momento. Mas a língua é viva, se atualiza, vai mudando, se adaptando aos novos tempos. E é assim que os serviços de atendimento ao consumidor, SACs, em especial os das companhias telefônicas, tratam de mudar o significado da palavra momento.
Todo mundo sabe como é terrível ouvir do atendente a frase fatal: "Espere um momento, por favor." Sabemos que isso significa algo como "fique aí plantado com o telefone pendurado na orelha que eu vou ver se tenho pacidência para resolver sua vida". E tome de esperar, de ouvir musiquinha, de escutar que nossa ligação é muito importante (se é importante, por que não resolvem tudo logo?), de aturar uma voz masculina dizendo que, se a dúvida é em relação à conta (não, não é!), basta passar um torpedo para o número tal que tudo será resolvido como num simples piscar de olhos -- num momento.
Nada disso é de graça, é impossível que empresas grandes e poderosas sejam tão incompetentes. Pelo contrário, o desrespeito ao consumidor é uma extrema demonstração de eficiência, prova da capacidade que esses sujeitos têm de nos irritar, de fazer com que, muitas vezes, desistamos de fazer nossas queixas. Uma simples ligação transforma-se em corrida de obstáculos, algo semelhante à prova olímpica em que atletas têm que pular barreiras e enfiar os pés na água.
É razoável pensar que os responsáveis pela formulação das normas de atendimento cursaram a velha Escola das Américas, centro de aulas de tortura criado pelo governo norte-americano no Panamá. Só um pós-graduado em técnicas avançadas de maus-tratos inventaria os métodos usados pelos SACs. Um dos mais cruéis é a exigência de digitação do número do telefone que deve ser consertado. Logo depois, o sujeito do outro lado da linha pergunta: "Para que número de telefone o senhor quer atendimento?" Não adianta dizer que é para o número digitado pouco antes -- o cliente então descobre que aquele apertar de teclas não adiantara nada.

Melhor, servira apenas para irritá-lo, atendera, portanto, ao objetivo traçado pelos veteranos da escola panamenha. Ligar para esses serviços é como atravessar o portal do inferno: a partir dali, devemos perder todas as esperanças, seremos obrigados a enfrentar a jornada que inclui a imposição de intermináveis momentos. No reino do capeta, o tempo é eterno.


Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site