Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

Na Europa, a NBA do futebol

separador Por Fernando Molica em 29 de junho de 2015 | Link | Comentários (0)

Estação Carioca, O DIA, 18/5.

Os jogos da Champions League me fazem lembrar a seleção brasileira de basquete que atuava no início dos anos 1970, quando eu era garoto. Um time em que brilhavam estrelas como Carioquinha, Hélio Rubens, Ubiratan e Marquinhos, um pivô de pouco mais de dois metros de altura, quase um Everest para a época. A equipe era muito boa, participava com relativo sucesso dos mundiais (vice-campeã em 1970, terceira colocada em 1978 -- aqui, renovada, contava com os espetaculares Oscar e Marcel).

Fui algumas vezes assistir a torneios que volta e meia conquistávamos. Eram quadrangulares que costumavam ter a participação de seleções como a da Iugoslávia e a dos Estados Unidos. E é aí que vem a história da Champions League. O basquete era considerado um esporte amador, o que impedia a participação de atletas da NBA nas seleções norte-americanas. Os caras se faziam representar por equipes universitárias, formadas por atletas que ainda não haviam se profissionalizado. Caprichavam, como podiam, no time enviado para as Olimpíadas, mas não davam muita bola para o Mundial -- então dominado por iugoslavos e soviéticos -- e, muito menos, para torneios no Maracanãzinho.

Na época, o mundo do basquete era dividido de maneira bem simples: a NBA e o resto. Havia até algumas diferenças nas regras, o que fortalecia a percepção de que o esporte que eles disputavam era outro. Esta impressão ficou evidente a partir de 1992, quando profissionais norte-americanos puderam, enfim, disputar as Olimpíadas e formaram o Dream Team, time dos sonhos que contava com craques como Michael Jordan, Magic Johnson e Larry Bird. Os adversários entravam em quadra com vontade de pedir autógrafos.

A distância que separa campeonatos europeus dos disputados por aqui é ainda maior da que havia entre o basquete americano e o do resto do mundo. Mas dói perceber que a diferença no futebol só aumenta -- os 7 a 1 traduzem o domínio alemão naquele jogo e expressam uma proporção, a diferença que nos separa de um futebol mais bonito e competitivo. Nossa tragédia é consequência do profissionalismo deles e do nosso amadorismo, um amadorismo feito para empobrecer clubes e enriquecer muitos dos que gravitam nesse universo. Só a roubalheira institucionalizada em clubes e federações explica a não existência de um futebol compatível com o talento dos nossos jogadores e com a economia brasileira, uma das dez maiores do mundo. Ah, para fazer justiça: nossa antiga seleção de basquete era muito melhor que o time do Felipão.


Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site