Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

Dona Risoleta e a volta da ditadura

separador Por Fernando Molica em 16 de março de 2015 | Link | Comentários (0)

Lembro de dona Risoleta sempre que algum imbecil defende a volta da ditadura militar - só um imbecil pode reivindicar golpe em nome da democracia. Minha vizinha por alguns anos, Dona Risoleta era uma doce e simpática pernambucana que fazia um bolo de rolo espetacular. Ela morreu com mais de noventa anos, morreu sem saber o que foi feito do corpo de seu filho, Eduardo Collier Filho, um dos muitos desaparecidos pela ditadura.

Collier era Integrante da APML, Ação Popular Marxista Leninista, grupo derivado de organizações católicas de esquerda (Betinho e José Serra participaram da antiga AP, Ação Popular). O filho de dona Risoleta e o também militante Fernando Santa Cruz (pai de Felipe Santa Cruz, presidente da OAB-RJ) foram sequestrados em fevereiro de 1974 (prisão ilegal é sequestro) por agentes do Exército lotados no DOI-Codi. Collier e Santa Cruz, que foram torturados e mortos, não tiveram envolvimento em ações armadas.

Ao saber das prisões, Dona Risoleta e Elzita, mãe de Santa Cruz, tentaram encontrar seus filhos, como registra este relatório da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.

Como parte da perseverante cruzada que mantiveram durante anos em busca dos filhos, as duas mães, Elzita Santos Santa Cruz Oliveira e Risoleta Meira Collier, endereçaram uma carta ao novo chefe da Casa Civil, general Golbery do Couto e Silva, onde relatam todos os passos de sua peregrinação desde fevereiro e fornecem informações bem concretas: "Fomos a São Paulo, no dia 14 de março, ao DOI do II Exército, situado na rua Tomás Carvalhal, onde ocorreu o seguinte incidente: recebidas pelo carcereiro de plantão, que atendia pelo nome ou alcunha de 'Marechal', o mesmo anotou os nomes de nossos filhos e, após uma ausência de meia hora, retornou o referido funcionário, na ocasião comunicando que 'hoje não é dia de visitas para Fernando e Eduardo'; em virtude da nossa insistência, foi declarado que os nossos filhos ali se encontravam presos, mas que só poderiam receber visitas no domingo próximo, após as 10 horas. Apesar disso se dispuseram a receber e entregar sacolas contendo roupas e objetos de uso pessoal. A convicção de que realmente eles estavam presos no local tornou-se absoluta quando o carcereiro, ao receber o nome de Fernando Augusto de Santa Cruz, completou-o, acrescentando o último sobrenome, Oliveira, sem que lhe fosse fornecido.

No domingo, ao comparecermos ao DOI, certos de que nos avistaríamos com nossos estimados filhos, como prometido, fomos comunicadas por um funcionário, que atendia pelo nome de Dr. Homero, de que Fernando e Eduardo ali não se encontravam, tratando-se tudo de um 'lamentável equívoco', ocasião em que foram devolvidas as sacolas".

A esquerda cometeu muitos erros durante a ditadura, o principal deles foi a opção de muitos grupos pela luta armada. Mas nada justifica a tortura e o assassinato de presos, nada justifica a crueldade praticada contra dona Risoleta e dona Elzita. A ditadura foi danosa para os derrotados e, ironia, também para os vitoriosos - até hoje as Forças Armadas são obrigadas a se explicar por crimes cometidos por seus integrantes.

Protestar contra governos é legítimo. Gritos de Fora Fulano ou Fora Beltrana fazem parte da luta política, ainda que pedir impeachment antes de provas concretas contra a presidente da República demonstre precipitação - não se pode banalizar um instrumento tão radical. Mas é absurdo reivindicar a volta da ditadura. Organizadores de protestos contra Dilma Rousseff e o PT fariam um grande favor à causa que defendem se passassem a impedir, em seus atos, manifestações que pregam uma intervenção militar. A tolerância com quem tem saudades da tortura, dos assassinatos e da imprensa censurada (mecanismo que impedia que casos de corrupção fossem divulgados) não é razoável e mancha um movimento que diz defender a democracia. É a democracia que permite passeatas como a realizadas em 15 de março.

Em tempo: em 2012, já depois da morte de Dona Risoleta, o ex-delegado capixaba Antônio Cláudio Guerra revelaria que os corpos de Collier e de Santa Cruz foram incinerados num forno de uma usina de cana da cidade de Campos.


Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site