Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

A apuração não pode parar

separador Por Fernando Molica em 16 de março de 2015 | Link | Comentários (0)

Coluna Estação Carioca, O DIA, 9/2.


Ao revelar que recebia propinas desde 1997, Pedro José Barusco, ex-gerente de uma diretoria da Petrobras, confirmou que a corrupção por lá é anterior ao governo petista. Nenhuma surpresa, o mensalão adotado pelo PT havia sido praticado antes, com o mesmo operador, pelo PSDB mineiro. O mercado de compra e venda de votos no Poder Legislativo e casos como o dos trens adquiridos pelo governo paulista mostram que o financiamento de campanhas eleitorais não detém a exclusividade dos mecanismos de corrupção. Mas a busca de verbas para panfletos, cartazes e programas de TV contribuiu para azeitar a roubalheira, empreiteiras envolvidas no Petrolão aparecem nas listas de doadores de diversos partidos.

Alguns números são intrigantes. Em 2014, o grupo JBS, dono da Friboi, foi campeão nas doações para campanhas eleitorais -- destinou R$ 352 milhões para candidatos e partidos, cerca de 30% de seu lucro líquido no último trimestre do ano passado. Do total, R$ 73, 4 milhões foram para Dilma Rousseff; R$ 51 milhões para Aécio Neves. As empresas do conglomerado repassaram R$ 61,2 milhões para 162 candidatos à Câmara dos Deputados que acabaram eleitos. Houve ainda mimos para outros partidos e políticos.

A edição deste mês da revista 'Piauí' trata de supostos favorecimentos do governo federal, já no reinado petista, à Friboi: "Entre 2007 e 2009, o BNDES despejou R$ 8,3 milhões na JBS por meio de compra de ações, agora outros R$ 2 bilhões em empréstimos", diz o texto. Como sócio da Friboi, o BNDES, veja só, acabou se transformando em doador de campanhas. A reportagem conta que, em 2014, dívidas de R$ 1 bilhão da JBS foram perdoadas pelo governo de Goiás. O benefício ocorreu depois de José Batista Júnior, irmão mais velho da dupla que cuida do grupo, ter passado a apoiar a reeleição do governador Marconi Perillo, do PSDB.

O caso Petrobras é exemplar; a punição dos culpados deste escândalo, assustador até para os padrões brasileiros, é essencial para uma mudança nas práticas que minam os cofres do Estado. Mas tratá-la como algo isolado seria útil apenas para beneficiar os que roubam em outros níveis da administração pública. É improvável que o Alberto Youssef fosse um petrodoleiro, cuidasse de refinar apenas o dinheiro roubado da Petrobras. Beneficiado pela delação premiada, ele tem a obrigação de contar o que sabe sobre outras tramoias -- a Polícia Federal, o Ministério Público e a Justiça não podem deixar de aprofundar essa apuração.


Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site