Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

O trem que se via no cinema

separador Por Fernando Molica em 15 de abril de 2014 | Link | Comentários (0)

Coluna 'Estação Carioca', 26/1/14:

Alguns filmes brasileiros produzidos entre os anos 1960 e 1980 começavam mostrando trens. Seus diretores procuravam, assim, deixar claro que o longa-metragem trataria de pobres, que moravam longe da Zona Sul. O meio de transporte, portanto, servia como ilustração da pobreza. De um modo geral, os vagões surgiam na tela se movimentando na direção dos subúrbios ou da Baixada Fluminense.

O rumo dos trens expunha, meio sem querer, que os cineastas não viviam naquelas áreas, precisavam se deslocar até lá. Como eram pessoas legais, interessadas no destino do país e preocupadas em se mostrar identificação com o sofrido povo brasileiro, iam de trem. Na carona, levavam o público -- igualmente legal, bem-intencionado e de esquerda -- para aquela espécie de safari em terras além-túnel e longe do mar. De certa forma, os tais filmes (alguns, por sinal, muito bons) antecipavam as constrangedoras excursões de turistas que, em jipes camuflados, entram em favelas cariocas como quem explora savanas africanas.

Os filmes, por mais que tentassem denunciar as injustiças sociais, ajudaram a reafirmar o conceito de que trem é para pobres. Como pobres nunca foram bem tratados por aqui, seu meio preferencial de transporte foi, ao longo de décadas, sendo sucateado. Não bastava negar salários, escolas, moradias e hospitais decentes, era preciso destruir os vagões que levavam aquela gente toda para o trabalho. E tome investimentos em viadutos, túneis e vias expressas que asfaltariam o caminho de donos de carros. Inaugurado em 1967, o Túnel Rebouças era vedado aos ônibus e, portanto, aos mais pobres. A proibição só seria quebrada quase 20 anos depois, no primeiro governo Leonel Brizola.

O ódio à população mais humilde ajuda a explicar o bombardeio ao sistema ferroviário da Região Metropolitana, criado por Dom Pedro 2º. O custo das desapropriações inviabilizaria, hoje, a construção dessa rede fantástica, que vai do Centro à Baixada e ao extremo oeste carioca. A destruição de um patrimônio como esse não é de graça, só pode ser proposital. Trata-se de uma crueldade imposta de maneira sistemática e eficiente ao longo de muitos e muitos anos, fruto da mistura de interesses privados que priorizavam o transporte em ônibus com o insaciável apetite de governantes. A combinação de vontades só foi possível graças à conivência de muita gente, aqueles que não toleram uma cidade mais democrática e que só gostam de ver pobres na tela do cinema.


Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site