Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

As muitas caçambas cariocas

separador Por Fernando Molica em 15 de abril de 2014 | Link | Comentários (0)

Coluna 'Estação Carioca', O DIA, 03/2/14:

Longe de ser uma exceção, Luiz Fernando Costa, o condutor do caminhão que derrubou a passarela da Linha Amarela, é quase um exemplo do motorista carioca. Não o motorista que deveria servir de exemplo, mas o que representa nosso jeitão de circular pela cidade. Atire o primeiro celular quem nunca falou ao telefone enquanto estava ao volante ou que jamais fechou cruzamento ou avançou sinal ou parou na calçada.

A lista de infrações cotidianas só não é maior do que tolerância social com as repetidas violações às regras básicas do trânsito, aquelas que deveriam garantir um mínimo de civilidade nas ruas. Ninguém -- nem eu -- gosta de respeitar limite de velocidade, de ser obrigado a deixar o carro na garagem depois de tomar uns três chopes ou de dividir uma garrafa de vinho no jantar. Nenhum limite -- no trânsito ou na vida em geral -- é agradável. Como Manuel Bandeira, sonhamos com a liberdade absoluta, com prazeres infinitos, com uma existência que seja uma eterna e impune aventura inconsequente. O problema, como disse o sábio Garrincha, é combinar isso com os russos, ou seja, com as milhões de outras pessoas que também se sentem no direito de fazer o que lhes dá na telha.

O direito do outro é que joga de volta para a estante dos desejos irrealizáveis a Pasárgada de cada um de nós. É desolador admitir, chato mesmo, mas não seria possível que todos andássemos por aí desrespeitando todos os sinais, circulando pelos acostamentos das estradas, parando em todas a calçadas e jogando todas as nossas frustrações e expectativas no pé que pressiona o acelerador. Até porque, se todos fizéssemos isso, ninguém sairia do lugar, haveria uma espécie de engarrafamento final, com todos os cruzamentos ocupados, colisões em cada esquina e atropelamentos em série. Ninguém tem direito de, com sua irresponsabilidade, colocar em risco a vida de outras pessoas.

A cada dia ensaiamos no trânsito a interminável disputa entre o agradável impulso da vida e a terrível e castradora civilização, entre o Carnaval e a Quaresma, entre a descompromissada farra noturna e os deveres do casamento. Mas a maioria dos motoristas cariocas se acha capaz de encontrar a quadratura do círculo, um jeito de conciliar o inconciliável, de torcer pelo Flamengo na arquibancada do Botafogo. A caçamba levantada do caminhão assassino é quase um carro alegórico que, todos os dias, desfila pelas ruas e revela o egoísmo e a bestialidade de quem acredita que sinais fechados foram feitos apenas para os outros.


Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site