Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

A cor do goleiro

separador Por Fernando Molica em 15 de abril de 2014 | Link | Comentários (0)

Coluna 'Estação Carioca', O DIA, 03/3/14:

Jefferson, goleiro do Botafogo e candidato a titular da Seleção, tem sido obrigado a conviver com um fantasma. Volta e meia alguém ressalta que ele é negro como Barbosa, goleiro da Copa de 1950 que sofreu com a acusação de ter falhado no gol que deu o título ao Uruguai. Como a próxima Copa será no Brasil e terá partida final no Maracanã...

Em recente entrevista com Jefferson, o assunto rendeu três perguntas. Falou-se em estigma e desconfiança -- tudo porque o goleiro é negro como Barbosa. A insistência no assunto faz lembrar teses que andaram em moda depois das derrotas de 1950 e 1954. Dizia-se então que negros não eram confiáveis, que tremiam diante de adversários fortes, que o melhor seria escalar jogadores brancos. Nas duas primeiras partidas da Copa de 1958, o único negro era Didi, que, além de jogar um bolão, tinha como reserva um outro negro -- não havia branco disponível para aquela posição. Ao longo da Copa, o negro Pelé e o mulato Garrincha entraram no time e garantiram o primeiro campeonato do mundo para o Brasil.

Negros se tornaram presença constante na Seleção, mas não no gol: apenas na Copa de 2006 voltamos a ter um titular negro, Dida. O fato de ele, na época, jogar pelo Milan ajudou a quebrar preconceitos, mas, de vez em quando, o nome de Barbosa era associado ao seu. Chega a ser assustadora a naturalidade com que o assunto era e é abordado. Não se trata de avaliar detalhes como altura, envergadura, elasticidade. É feita uma absurda relação entre a cor da pele de um jogador e o seu desempenho em campo. A exemplo do que ocorreu na década de 1950, se atribui valor a uma tese fundada apenas num preconceito disfarçado de superstição. Dá pra imaginar o tamanho dos justos protestos que ocorreriam caso Barbosa fosse judeu e sua pretensa falha tivesse representado um veto à presença de outros judeus no gol da Seleção.

Ótimo goleiro, Jefferson, assim como todos os profissionais, deve ser analisado por suas qualidades e limitações (poderia repor melhor a bola, por exemplo). Insistir na lembrança de Barbosa representa uma ofensa a todos nós, ninguém está livre de ser vítima de algum preconceito. Ser negro não faz de Jefferson um goleiro melhor ou pior. É bem provável que ele tenha uma grande Copa, mas também poderá falhar -- não por ser negro, mas porque é humano, assim como eu e você (ninguém diz que Julio Cesar falhou em 2010 porque é branco). Enxergar Jefferson pela memória de Barbosa é uma forma -- ainda que involuntária -- de perpetuar o racismo.


Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site