Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

Meninos que não chegam mais ao Maracanã

separador Por Fernando Molica em 05 de outubro de 2013 | Link | Comentários (0)

Coluna Estação Carioca, O DIA, 14 de agosto:

Não lembro de minha primeira ida ao cinema ou ao Zoológico. Mas não esqueço a minha estreia no Maracanã, o dia em que, como escreveu Armando Nogueira, fui menino-que-chega -- "Esse é o glorioso destino do grande estádio: cada menino que chega é grama nova que floresce no campo." O Botafogo venceu o Madureira, 1 a 0.

Ao levar os filhos ao Maracanã, pais cumprem um ritual de iniciação. O evento vai além da ligação entre pai e filho, é um momento crucial de renovar, por mais uma geração, o amor por determinadas cores e símbolos, algo que nos acompanhará por toda a vida.

Antes de ir ao Maracanã eu havia sido levado a General Severiano, para um outro jogo contra o Madureira. Foi ótimo ver de perto jogadores como Manga, Leônidas, Gérson, Jairzinho, Roberto. Mas nada se comparava ao impacto de se descobrir no então maior do mundo, de encarar aquela imensidão das arquibancadas. Hoje, o estádio não é mais o mesmo, ficou mais confortável e acanhado, mas não deixa de ser o Maracanã.

O problema é que esta sua adaptação à nova ordem do futebol consolidou uma mudança no preço dos ingressos que dificulta a chegada de meninos pobres ao estádio, impede que eles participem do tal rito ao lado de seus pais. Claro que há exclusões muito graves e vergonhosas, como a falta de acesso à boa educação, ao saneamento, ao atendimento médico. Mas a expulsão dos sem-grana do Maracanã é uma maldade que rompe um dos fios que ajudaram a transformar o futebol em um dos elementos centrais de nossa cultura, de nosso jeito de ser. Numa sociedade tão dividida e injusta, a mistura de ricos, pobres e remediados -- que lá compartilhavam das mesmas angústias e alegrias -- apontava o caminho para uma convivência mais ampla. Isto, da mesma forma que o nosso futebol, de origem tão elitista, cresceu ao se miscigenar.

Em 'Menino-que-chega', o alvinegro Armando Nogueira fala de "tanta gente sem endereço" que, no estádio, teve seu momento de herói e semideus. Como Gilberto Gil em 'Lunik 9' -- ao mesmo tempo contente e triste pelo desbravamento da Lua --, comemoro a possibilidade de os times brasileiros ficarem mais fortes, mas não dá para aceitar que isto implique fechar as portas a tantas pessoas. Gente que, como também disse Armando Nogueira, tinha no Maracanã sua hora "de viver a vitória que lá fora a vida negou-lhe a semana inteira".


Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site