Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

A máscara que esconde a culpa

separador Por Fernando Molica em 05 de outubro de 2013 | Link | Comentários (0)

Coluna Estação Carioca, O DIA, 11 de setembro:

Os ideólogos do fascismo e suas variantes eram bons marqueteiros. Sacaram que, ao contrário do que pregavam socialistas, era meio complicado apostar num novo homem, mais solidário, justo, disposto a dividir riquezas e conhecimento. Criaram então um sistema político-ideológico que ressalta o que o ser humano tem de pior: egoísmo, preconceito, irracionalidade, intolerância. Um sistema que não admite discussões, que incinera livros, que só reconhece uma verdade. Diante de algum problema há sempre uma solução pronta, basta atribuir a culpa ao outro, há sempre um outro à disposição.

O que define um comportamento fascista não é, necessariamente, uma opção política à esquerda ou à direita, mas a fé numa verdade absoluta, a arrogância, a negativa do contraditório, o uso frequente e ritual da violência e da intimidação. As torcidas organizadas são um bom exemplo disso. A lógica simplista, baseada numa interpretação canhestra de fatos históricos, ajudou a arregimentar apoio para Hitler e seu nazismo. A culpa era dos judeus, dos socialistas, dos comunistas, dos gays, dos ciganos, dos negros, todos apresentados como não puros e exemplos de degradação. Deu no que deu, a humanidade até hoje se pergunta como permitiu o holocausto.

Manifestantes que, por aqui, promovem atos violentos rejeitam ser chamados de fascistas. Consideram-se iluminados, democratas, donos da verdade. Uma verdade frágil, incapaz de resistir ao confronto de ideias, que precisa ser imposta pela força, pela intimidação. Para preservá-la, mascarados imitam a polícia ao hostilizar e agredir jornalistas. Isto, para evitar qualquer versão que lhes seja desagradável: não aceitam ser chamados de violentos nem quando promovem depredações. Só permitem uma única versão dos fatos, a que narram e controlam. Usam o pretexto do monopólio midiático para exercitar não o pluralismo, mas um outro monopólio da fala. Como fanáticos religiosos que não admitem outra fé que não a sua, chegam ao ponto de culpar a vítima pelas agressões que ela sofreu -- o espancamento seria como uma penitência, um auto-de-fé como os da Inquisição. Egocêntricos, autocentrados, míopes, conseguiram a façanha de esvaziar as grandes manifestações populares. Agarrados em suas certezas, insistem em negar o fascismo que salta do espelho e tratam de jogar a culpa no outro, qualquer outro, pelos próprios desatinos.


Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site