Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

A favela que perdeu seu nome

separador Por Fernando Molica em 05 de outubro de 2013 | Link | Comentários (0)

Coluna Estação Carioca, O DIA, 18 de setembro:

Urbanizar favelas, dotá-las de infraestrutura como a existente no resto da cidade, sai caro. Mesmo as ocupadas pela polícia, que receberam UPPs e alguns outros investimentos, ainda dispõem de uma rede de serviços precária. Para disfarçar, governos resolveram usar a língua portuguesa para driblar o problema. As favelas continuam com suas dificuldades, mas passaram a ser chamadas de "comunidades", denominação que acabou assumida até por parte da imprensa.

O substantivo costuma vir colado ao adjetivo "carente". É como se houvesse um pacto: não teríamos mais favelas, mas comunidades carentes. A pobreza é igual, os rios de esgotos são os mesmos, as habitações pouco mudaram, os casos de hanseníase e tuberculose ratificam a miséria. Mas a favela deixou de ser chamada de favela, e isso seria o suficiente.

Palavras não são inocentes, revelam, mesmo sem querer, as intenções e preconceitos de quem as pronuncia ou escreve. Ao fugir da palavra "favela" -- uma das poucas da língua portuguesa que se internacionalizaram --, tenta-se jogar a pobreza para uma espécie de exílio. O engraçado é que a medida contaminou o sinônimo escolhido: nenhum morador de condomínio fechado da Barra diz viver numa "comunidade". Agora, isto é coisa de pobre. A palavra "carente" passou a ter dois significados. No universo dos ricos e remediados transmite a ideia de falta de carinho, de amor. Em relação aos pobres, o significado é mais direto, tem a ver com falta de grana.

Ao longo dos anos, os jornais aprenderam a abrir mão de eufemismos, das palavras e expressões que tentavam apenas amenizar seus significados. Câncer deixou de ser "insidiosa moléstia", morte passou a substituir "falecimento". Em outros casos houve uma regressão. Não há mais prostitutas -- palavra que tão bem define o exercício da tal atividade --, mas "garotas de programa". Ao adotar esta lógica, a imprensa se iguala a um antigo ministro da Fazenda que, para não admitir a recessão, declarou que o país tivera um "crescimento negativo".

Encarar os problemas é o primeiro passo para resolvê-los. Ao insistir em chamar favela por algum apelido, a sociedade busca um jeito de evitar o constrangimento gerado pela pobreza crônica e revela sua pouca vontade de transformar a situação de tantas e tantas pessoas. Com o uso de palavras mais bonitas, tenta chutar a favela para bem longe.


Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site