Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

Uma ligação para Abraham Lincoln

separador Por Fernando Molica em 09 de março de 2013 | Link | Comentários (0)

Coluna Estação Carioca, jornal O DIA, 6/3:

Tenho um amigo que desistiu de ir ao cinema. Nada contra os filmes atuais, o problema dele é com o comportamento do público nas salas de exibição. Não suporta mais o crec-crec dos comedores de pipoca, o slarpt-ploft do abrir e fechar de embalagens de alimentos, as intermináveis conversas durante a projeção e a profusão de lanterninhas amadores, pessoas que chegam atrasadas e acendem seus celulares em busca de seus lugares. Há também os que insistem em deixar telefones ligados e que não conseguem deixar de conferir ligações e mensagens.

Outro dia, num dos momentos cruciais de 'Lincoln', o fim da escravidão dependia de uma comunicação a ser feita ao presidente norte-americano. Nenhum problema: o celular tocou no gabinete da Casa Branca justo naquele momento. Não, não havia celulares na época da ação, o telefone que rompia a lógica do filme soava dentro do cinema onde eu estava. Deu vontade de gritar "É pra você, Abraham!"

Muitos espectadores padecem de uma espécie de síndrome de Galvão Bueno. Não basta ver o filme, é preciso narrá-lo, comentá-lo, quiçá ouvir a opinião do internauta, solicitar que ele defina o que o Django, personagem-título do filme do Quentin Tarantino, deve fazer com esse ou aquele escravagista. Vai mandar tiro ou não vai?

As trilhas sonoras ganharam a função de servir de fundo musical para as conversas. Talvez influenciados pelas novelas, em que diálogos costumam ter mais importância narrativa que imagens, parte do público acha que aquela musiquinha é apenas enrolação e tem, no filme, o mesmo efeito da bossa nova que torna mais agradáveis as imagens do Leblon.

A barulheira no cinema revela dificuldade de convivência no espaço público, base da lógica democrática. Viver em sociedade implica parar no sinal vermelho, respeitar limites de velocidade, não trafegar pelo acostamento, não pisar na grama, comer de boca fechada, conter a eventual vontade de tomar banho de mar pelado. Mas essas pequenas concessões garantem um mínimo de civilidade -- nós não conseguiríamos ir à esquina se cada um fizesse tudo o que lhe dá na telha. E isso se aplica ao comportamento no cinema: não se pede muita coisa, apenas o respeito a quem também comprou ingresso e que não acha normal ouvir um celular tocando, em 1865, no gabinete do presidente Lincoln.


Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site