Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

Os queridos times de nossas aldeias

separador Por Fernando Molica em 31 de março de 2013 | Link | Comentários (0)

Coluna Estação Carioca, jornal O DIA, 13/3:

Outro dia, topei com reportagem sobre os primeiros dias de Lucas, ex-São Paulo, no Paris Saint-Germain. A matéria revelou um sujeito muito à vontade no moderno universo do futebol. Tanto que ele me surpreendeu ao falar de seu grande objetivo. Perto de uma Copa no Brasil, tentei antecipar sua resposta. Claro que o craque diria estar focado no hexa. Errei. Revelou ser movido pela possibilidade de ser eleito o melhor do mundo.

Ao dizer que seu maior alvo é individual, não coletivo, o jogador, de 20 anos, mostrou adaptação ao meio, à lógica do cada um por si. Astro de um grande negócio, é justo que pense em sua carreira de maneira empresarial, se vê como um produto que vai sendo inserido no mercado. Não por acaso, seu primeiro pouso é na França, país de menor importância no futebol. Depois da Copa, deverá migrar para a Inglaterra, Espanha ou Itália.

É justo que os artistas que movimentam essa máquina sejam muito bem remunerados, sem eles não haveria futebol. Mas talvez o mesmo processo que anima o Lucas ajude a explicar nossa relação meio morna com a seleção brasileira. Os interesses comerciais que envolvem o esporte e a velocidade com que jogadores são revelados e exportados minam nosso entusiasmo. Mal conseguimos identificar muitos dos convocados, alguns saíram do país com menos de 18 anos, não tiveram tempo de conquistar um lugar no coração dos torcedores.

Esse Diego Costa, chamado pelo Felipão, estreou no futebol profissional, aos 17 anos, lá em Portugal. O desconhecimento alimenta desconfianças -- seu empresário é o mesmo do técnico brasileiro -- e contribui para que fiquemos reticentes com a Seleção. Os jogadores, assim como o capital, não têm mais pátria, muitos dos convocados são brasileiros apenas pelo acaso de terem nascido aqui, construíram suas vidas no exterior.

Perdidos neste admirável e desconhecido mundo novo futebolístico, ficamos cada vez mais ancorados em nossos próprios times. Neles, até jogadores estrangeiros se tornam íntimos; acabam, digamos, nacionalizados: foi assim com o Petkovit (que virou Pet) e o Loco Abreu. Arrisco dizer que a maioria dos torcedores brasileiros trocaria a vitória na Copa por uma grande conquista de seu clube. Eu troco. Do meu time eu entendo, conheço virtudes e falhas, sou capaz de aplaudir e cornetar com alguma razão. Em meio a tanto desenraizamento, nada melhor que a companhia do querido time da minha aldeia.


Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site