Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

Trecho de 'O inventário de Julio Reis'

separador Por Fernando Molica em 18 de dezembro de 2012 | Link | Comentários (0)


No trajeto até o Centro, observei com atenção cada detalhe do bonde, das pessoas que nele estavam ou que passavam pelas ruas - o chapéu branco decorado com flores da senhora, a bengala do cavalheiro com bigode engomado à la hongroise ou posto a ferro pelo barbeiro, a menina de vestido rodado e laço de fita nos cabelos, o mascate que, numa calçada, vestido com paletó listrado e surrado, carregava nas costas seu baú repleto de tecidos,o garoto com roupas de marinheiro, o garrafeiro descalço com o cesto à cabeça, a preta baiana de cabeça envolta em pano e tabuleiro lotado de doces deitado à rua. Naquela tarde, todos aqueles personagens me pareceram mais velhos, condenados ao desaparecimento, não resistiriam a tantas mudanças. Por quanto tempo ainda haveria bengalas, bigodes encerados e meninos com roupas de marinheiro? Muitos dos burros que puxavam os bondes haviam sido aposentados. De imprescindíveis, tornaram-se obsoletos, desprovidos de qualquer serventia, como os escravos que, passados mais de 20 anos da Abolição, ficam perambulando pelas ruas, dormindo nas praças, imploravam por comida, por um lugar para dormir. De súbito, haviam perdido a função, a utilidade. Foi-se a ignomínia da escravidão, veio a indignidade do ócio, da falta do que fazer. Os quiosques tinham sido eliminados, tantos e tantos casarões do Centro foram postos abaixo, de residências de luxo haviam passado a condição de casas de cômodos, abrigos de miseráveis e de desocupados; depois, virariam um amontoado de pedras. O progresso se impunha com pressa, era violento, inconteste, arrasador. Em breve, como as ondas que chegavam aos pés do Outeiro, arrastaria profissões, modas, hábitos, costumes. Ao apear do bonde, olhei de relance para o meu próprio rosto refletido no espelho do motorneiro. Por um breve instante, também me achei idoso, ultrapassado. Encharcados pelo suor, fios de cabelo teimavam em escapar do chapéu e grudavam na minha testa, o calor fazia meus óculos deslizarem pelo nariz e deixava ainda mais evidente o anacronismo do colete com que eu tentava resguardar alguma elegância. A claridade ressaltava o puído dos meus trajes, meu rosto parecia ainda mais encovado; embutida no meu colarinho duro, a gravata plastron se assemelhava a um estandarte de algum exército derrotado, que acenava apenas para o passado. Percebia o quanto envelhecera naqueles cinquenta minutos de viagem. Na Avenida, apressei o passo em direção ao Lyrico, precisava de refúgio, de um ambiente seguro, um local onde pudesse me reconhecer e admitir que ainda estava vivo.


Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site