Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

Salve a feijoada do Jorge do Renascença

separador Por Fernando Molica em 18 de dezembro de 2012 | Link | Comentários (0)

Coluna Estação Carioca, jornal O DIA, 5/12:

Ao contrário do que anda acontecendo com a novela das nove, Jorge Ferraz, comandante-em-chefe das panelas do Renascença, é sucesso de público e crítica. Domingo passado, ele aproveitou o Dia Nacional do Samba para preparar aquela que, garante, foi a sua milésima feijoada.

Assim como craques do futebol fazem gol de tudo que é jeito -- de cabeça, de bicicleta, com pé direito, com o esquerdo --, a marca de Jorge foi atingida graças a um extenso repertório de variações culinárias. Há alguns anos, para ajudar a levantar fundos para o clube, ele chegou a inventar um rodízio de feijoadas, a cada semana preparava a iguaria com um tipo diferente de feijão. Fiel ao espírito do Rena, referência da cultura negra, Jorge não tem preconceito, traça feijões de todas as cores. Mas, fiel à tradição do clube, o preto é que costuma dar as cartas por lá.

Para usar parâmetros tão ao gosto da imprensa: como Jorge, bombeiro aposentado, costuma usar cerca de 40 quilos de feijão a cada rodada, ao longo de tantos anos terá despachado umas 40 toneladas de leguminosas e umas 160 toneladas de carne para aqueles panelões. Quantidades suficientes para influenciar as cotações de feijão e de suínos no mercado agropecuário. Prático, Heitor e Cícero, os simpáticos Três Porquinhos, devem manter uma prudente distância da Rua Barão de São Francisco, onde fica a sede do Rena.

Sem camisa, com o peito coberto por um avental personalizado, Jorge dava detalhes sobre a empreitada. Para marcar o milésimo tento, fez uma graça a mais. Auxiliado por Chiclete -- outro craque da tradicional gastronomia carioca de botequim --, fez questão de cozinhar grãos e carne na lenha, ritual que varou a madrugada. No fim das contas, todas as carnes derretiam -- as dos porquinhos sacrificados e as nossas, submetidas ao sol que esturricava a tarde no Andaraí e fazia evaporar a cerveja dos copos.

Ao lado do panelão, Jorge Alberto, médico oftamologista, explicava a origem do ritual: como sempre saía com fome de churrascos, sugeriu ao primo Jorge Ferraz a preparação de um prato com mais sustança, um feijãozinho. Deu no que deu. O feijão misturou-se ao samba, outro alicerce do Rena. Domingo, as notas vindas dos instrumentos subiam, se misturavam ao perfume do feijão, refrescavam o espírito e tiravam todos os pesos d'alma. Que venha logo a feijoada de número 2.000.


Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site