Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

Os invasores de um terreno da Zona Sul

separador Por Fernando Molica em 19 de setembro de 2012 | Link | Comentários (0)

Coluna Estação Carioca, jornal O DIA, 19/9:

Eu sabia que, bem perto de onde moro, na Zona Sul do Rio, havia uma favela. Acho até que lembro de, ainda criança, ter visto os barracos apertados no morro. Os moradores foram retirados nos anos 1960, no auge da política de remoção de favelas. Já até tinha visto uma ou outra foto daquilo que hoje é classificado de "comunidade carente", mas, no início da semana, um amigo me enviou imagens impressionantes. A favela era muito grande, ocupava até mesmo o terreno onde, décadas depois, seria construído o prédio em que vivo.

Na década de 1980, as remoções foram alvo de intensas críticas, políticos de todas as vertentes passaram a falar em urbanização de favelas. Além de cruel, a prática de despachar moradores para lugares distantes se revelara uma fonte interminável de dramas urbanos e sociais. Como depois frisaria o historiador Marcos Alvito, o verbo remover só é utilizado no Brasil para favelas, lixo e cadáver: um uso que explica muito de nosso país.

A questão não é simples, favela não é apenas um problema habitacional (trata-se mais de uma solução do que problema). As moradias precárias são consequência óbvia da pobreza e de uma lógica de exclusão vigente há séculos. A nova novela das seis, a 'Lado a lado', ajuda a contar um pouco desta história. Algumas favelas cariocas, como a da Praia do Pinto, no Leblon, foram removidas depois de incêndios como os que proliferam hoje em São Paulo. Os terrenos não ficaram vazios, neles foram plantados edifícios destinados a gente com muito mais grana que os antigos donos da área.

Parte da sociedade se acostumou a olhar para as favelas como se aquelas pessoas não tivessem o direito de viver ali. Seus moradores passaram a ser visto de forma coletiva -- os favelados --, não como pessoas: o João, a Maria, o Zé, a Cristina. Imagino o que deve ter passado pela cabeça de uma criança ao saber que ela, seus pais, amigos e vizinhos seriam retirados de onde viviam. Todos iriam para um local desconhecido, teriam que refazer amizades e contatos, perderiam parte de sua história. O importante para o poder não era combater a pobreza e suas consequências -- bastava varrer os pobres para debaixo de algum tapete. Ao ver a foto dos antigos moradores da minha rua, sinto uma certa contradição. É como se eu e meus atuais vizinhos -- todos beneficiados pela expulsão daquelas pessoas -- fôssemos os invasores do pedaço.


Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site