Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

Na 'Ilustríssima', o umbiguismo da literatura brasileira

separador Por Fernando Molica em 02 de setembro de 2012 | Link | Comentários (0)

Muito interessante a análise que o Luís Augusto Fischer faz hoje, na Ilustríssima ('Folha de S.Paulo'), sobre os textos publicados na edição brasileira da 'Granta' ( ver resumo em http://sergyovitro.blogspot.com.br/2012/09/letras-em-numeros-luis-augusto-fischer.html ). Os comentários, guardadas as preocupações de praxe, podem servir para a maior parte da produção literária brasileira contemporânea. Ele procurou fazer uma avaliação bem objetiva do material; isto, a partir de da
dos como os temas abordados pelos autores (há também informações sobre origem e formação sobre cada um dos escolhidos, todos com até 40 anos). Fischer também compara a produção da 'Granta' com a publicada em antologias editadas em 2000 ('Os cem melhores contos brasileiros do século') e 2001 ('Geração 90 - manuscritos de computador').

Algumas conclusões sobre os 20 textos da revista são impressionantes: em 50% há presença de escritores como personagens centrais; 60% têm, no centro dos enredos, relações de filhos ou pais ou mães; 55% contêm "citações ou alusões cultas, da moda intelectual". Fischer conclui que "não há empenho em aproximar do escrito as modalidades de fala popular".

Outros dados: dos 20 contos, "seis ou sete podem ser enquadrados no campo da autoficção", "Onze têm narradores em primeira pessoa, testemunhais", "90% dos personagens relevantes se encontram nas classes confortáveis (da classe média-média para cima (...) )", 55% dos contos apresentam cenas passadas fora do Brasil. Estas características não apareciam, ou apareciam de forma bem menos significativa, nas outas duas antologias.

A matéria da Ilustríssima fala por si, mas é impressionante constatar - e aí não faço qualquer juízo de valor temático - como a 'Granta', na prática, mostra uma vitória daquilo que se costuma chamar de umbiguismo, a tendência de se falar apenas de si. Lembro que há alguns anos tento, sem muito sucesso, rechaçar a ideia de que a literatura brasileira estaria presa, em sua maior parte, ao cenário da favela (comentário que, de um modo geral, carrega um juízo de valor). Acho que agora terei mais argumentos. O amigo Marcelo Moutinho, por sua vez, se ressente de temas ligados à baixa classe média.

Insisto: livros não são bons ou ruins porque tratam deste ou daquele tema, desta ou daquela classe social. Ainda não li a 'Granta', não posso falar nada sobre os textos, alguns deles produzidos por autores que respeito muito. Mas confesso um certo assombro com os dados citados pelo Fischer. Sempre achei que a literatura, assim como as artes de um modo geral, ajuda na compreensão do outro, permitem algum tipo de diálogo entre diferentes. Ao contrário do jornalismo - preso a uma lógica moralizante e conservadora -, a literatura possibilita melhor a compreensão daquele que desconhecemos e, em alguns casos, daquele que odiamos ou tememos.

Claro que o recorte da 'Granta' não é definitivo, não define nem abraça toda a produção contemporânea de qualidade. Mas a seleção permite uma reflexão sobre até que ponto estamos conseguindo dialogar com uma sociedade tão complexa quanto a nossa, até que ponto estamos com dificuldade de nos aproximarmos dos diferentes, dos feios, sujos e malvados - para citar aquele ótimo e velho filme italiano.

Não sou tão radical quanto o Fischer, cada autor tem o sagrado direito de escrever sobre o que bem entender, mas acho que os parágrafos finais da matéria merecem uma boa discussão:

"A 'Granta' parece ter fotografado um momento cosmopolitizante, antipovo e autorreferente, na geração mais nova, que surfa num mercado muito mais maduro do que jamais foi, em todos os níveis, na renda, nos circuitos de difusão, no consenso da importância da leitura.

"Olhando panoramicamente, duas linhas se mostram. Uma convergente: a economia brasileira de fato se volta para fora, como um "global player", e a nova geração se afina com isso.
Outra divergente: a nação segue chafurdada em mazelas, como por exemplo a corrupção sistêmica, para não mencionar as enormes desigualdades sociais já quase invisíveis de tão antigas, mas a nova geração parece passar ao largo disso."





Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site