Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

A injustiça que entra em campo

separador Por Fernando Molica em 26 de setembro de 2012 | Link | Comentários (0)

Coluna Estação Carioca, jornal O DIA, 26/9:

Os que detestam ou ignoram futebol não conseguem entender a gritaria em torno do erro -- ou roubo -- cometido por um árbitro. Consideram despropositado que adultos, profissionais respeitados, pais e mães de família, fiquem exasperados por causa de um apito fora do lugar. Não admitem que chutemos baldes e cachorros, que briguemos com a mulher por causa de um jogo. Alegam que há questões mais importantes na vida, no país, no mundo: filas em hospitais, a eleição de algum corrupto, o Mensalão, a fome, o Oriente Médio.

Nada do que está relacionado acima é irrelevante, tudo nos constrange, tem a ver com um grau de inconformismo. Ficamos incomodados com o que está errado, nos revoltamos com a injustiça das filas, com a corrupção e com as guerras. Mas esse sentimento, acredite, tem muito a ver com futebol. Nossa aproximação com o esporte ocorre cedo, na infância. É quando nos apaixonamos por um time, passamos a acompanhá-lo, a torcer por ele. Somos então apresentados à figura da justiça, personificada naquele sujeito que, antigamente, só se vestia de preto.

Assim, aos 6, 7 anos, às vezes antes mesmo de entrarmos para a escola, descobrimos que o cara do apito e seus dois auxiliares têm o poder de definir o certo e errado, o que pode e o que não pode; são responsáveis por algumas de nossas maiores tristezas. Não devem, portanto, falhar; não podem, principalmente, roubar. Crescemos cercados de injustiças e frustrações: não ganharemos o dinheiro que sonhamos, não evitaremos doenças, aquela menina bonita não nos dará bola. Aos poucos, aprendemos a necessidade de enfrentar os problemas e de nos conformarmos com o que não tem solução. Mas a relação com o futebol é um pouco diferente.

Gostar de futebol, ser apaixonado por um time, é também uma forma de protesto contra o mundo adulto, que se impõe imperfeito, cheio de dores e frustrações. O futebol é o nosso melhor brinquedo; o amor por um clube, inegociável, é o mais desinteressado de todos -- há quem mude de sexo, mas não é admissível trocar de time. No futebol, aceitamos derrotas em nome de vitórias futuras, mas -- crianças -- continuamos a não perdoar o apito comprado.

Fraudar o resultado de um jogo representa uma tentativa de ferir de morte um sentimento de justiça original, algo que, apesar de tudo, insiste em viver em cada um de nós.


Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site