Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

Rio: o melhor lugar também no Carnaval

separador Por Fernando Molica em 15 de fevereiro de 2012 | Link | Comentários (0)

Coluna Estação Carioca, jornal O DIA, 15/02:

Quando eu era adolescente, a aproximação do Carnaval vinha acompanhada da angústia de encontrar um lugar para passar os dias de festa. Valia tudo: desde a favorita Cabo Frio até lugares como Muriqui, Araruama, São Pedro da Aldeia, Iguaba Grande e Iguabinha. O importante era sair do Rio, onde o Carnaval ficara reduzido aos desfiles das escolas e dos chamados blocos de enredo.

Criança, ia a bailes de clubes como River, Oposição e Pontal e, à noite, dava uma chegada na Avenida Suburbana para, com meus pais e minha avó, ver a passagem dos blocos de sujos -- lembro de uns sujeitos que usavam fronhas pintadas na cabeça. Volta e meia íamos à Rio Branco conferir as fantasias de foliões mais criativos. Os blocos de sujos foram sumindo, o Carnaval de rua no subúrbio acabou sendo sustentado pelos grupos de Piranhas, homens que iam às ruas com roupas de mulheres.

Anos depois, não havia muito o que fazer no Carnaval. Quando não rolava a opção Muriqui, eu passava o dia zanzando para, à noite, acompanhar pela TV o desfile das escolas de samba. Dava até um pouco de inveja de cidades como Salvador e Olinda, ocupadas por multidões que praticavam um Carnaval fora dos salões e sem a rigidez dos desfiles oficiais. Aqui no Rio, nem mesmo o Cordão da Bola Preta conseguia juntar muita gente; lá pelo início dos anos 80, sua bandinha -- que ia no chão, sem qualquer tipo de aparelhagem de som -- reunia uns poucos veteranos. Seu desfile no sábado servia mesmo para os jornais fazerem uma matéria pra lá de manjada, que anunciava o início dos festejos.

A volta da democracia fez o Carnaval de rua pegar no tranco: muitos dos que fizeram passeatas pela anistia e pelas eleições diretas redescobriram como era bom botar o bloco na rua. Todas as praças, e não apenas a Castro Alves, voltaram a ser do povo. Isto, temperado pela simpatia carioca, que, sabemos, é quase amor. De lá pra cá, blocos começaram a surgir quase que por geração espontânea. Até bloco de jornalista -- esta gente meio ranzinza, sem ritmo e fora de forma -- deu certo! O resultado chega a ser assustador, o poder público teve que entrar em campo para tentar administrar uma festa que parece brotar em cada esquina. Uma alegria sem cordas, bem-humorada, gratuita, que dispensa a compra de abadás. Uma festa que, unida ao espetáculo do Sambódromo, tornou a fazer do Rio o melhor lugar também para se passar o Carnaval. Daqui não saio, daqui ninguém me tira.


Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site