Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

Uma suspeita nada surpreendente

separador Por Fernando Molica em 29 de setembro de 2011 | Link | Comentários (0)

Coluna 'Estação Carioca', jornal O DIA, 28/9:


Ainda é cedo para dizer se o tenente-coronel Cláudio Luiz de Oliveira, ex-comandante do 7º Batalhão de Polícia Militar, foi mesmo o mandante do assassinato da juíza Patrícia Acioli. Os outros PMs acusados pelo crime também não foram a julgamento e têm o direito de não serem considerados culpados. O problema é que ninguém duvida da possibilidade de o crime ter sido obra de policiais, agentes pagos pelo Estado para proteger a sociedade. Podemos até ficar chocados com o suposto envolvimento de um oficial superior, mas ninguém que acompanhe a segurança pública no Rio tem o direito de ficar surpreso.

De uns anos pra cá virou quase rotina esbarrar em notícias que apontavam policiais ou ex-policiais como suspeitos de crimes. Uma situação levada ao extremo com a proliferação das milícias, quadrilhas que, de um modo geral, surgem dentro do Estado. O problema é que, com algumas exceções, governos, corporações, a Justiça e a própria sociedade não demonstraram muita vontade de punir os tais maus policiais. Pior: o desespero gerado pelo aumento da violência fez com que muitos ficassem tolerantes com a violência policial. Jornais passaram a receber cartas furibundas cada vez que mostravam policiais praticando algum tipo de violência contra supostos bandidos. Com o tempo, a expressão "direitos humanos" ganhou até um viés negativo. Defender o respeito à lei passou a ser sinônimo de defender bandidos.

E aí, tome de dar poder para a polícia, de permitir, de maneira tácita, que policiais agredissem ou matassem suspeitos: vale lembrar a vibração de muita gente quando o personagem Capitão Nascimento torturava um marginal. Aquele é que deveria ser o tratamento-padrão dispensado a traficantes e assassinos, quem protestava era porque gostava de bandidos. Amedrontada, boa parte da sociedade deu à polícia o direito de fazer justiça achava que nunca seria vítima de um abuso de poder, acreditou que policiais autorizados a torturar e a matar agiriam apenas contra bandidos, não abusariam de tamanha força. Essas pessoas acreditaram que o Capitão Nascimento existia na vida real. Deu no que deu.

A tolerância de comandantes, autoridades, políticos e de cidadãos ajudou a criar uma polícia cujos desvios não deixam ninguém surpreso. Que a morte da juíza Patrícia Acioli sirva de alerta para os riscos de um desatino, o de permitir que qualquer pessoa ou corporação se sinta acima da lei.


Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site