Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

A dura missão de dar palpites

separador Por Fernando Molica em 22 de julho de 2011 | Link | Comentários (1)

Num dos meus livros, acho que em O ponto da partida, um personagem jornalista reclama dos leitores. Diz que o bom seria trabalhar no jornal de uma instituição de surdos - nenhum deles telefonaria para reclamar. O sujeito, admito, não primava pelo bom humor. Não sou tão radical quanto o personagem; ao contrário, faço questão de responder a todos que me escrevem, para elogiar ou criticar. Só ignoro os que partem para o xingamento ou que não têm coragem de assinar suas broncas.

Na última quarta publiquei, na coluna Estação Carioca, em O DIA, artigo em que abordava alguns pontos relativos à educação no País (reproduzo o artigo abaixo). As reações foram bem diversas: alguns professores concordam com o tom geral dos comentários mas fizeram uma ou outra observação. Outros pegaram mais pesado, concordaram com a defesa de salários melhores para a categoria, mas discordaram de minhas críticas ao que classifiquei de corporativismo da categoria. Enfim, tudo dentro do jogo.

O mais curioso são os leitores que, ao invés de combater argumentos, tentam desqualificar quem os apresentou. Um deles, um professor que enviou sua manifestação para a caixa de comentários do jornal, diz que eu deveria ter ficado quieto. Isto porque, segundo ele, educação não é futebol, "onde qualquer um acha que pode ser técnico". De acordo com o leitor, como eu não nada saberia sobre educação, não poderia falar sobre o assunto. Este tipo de comentário me assusta. Faz lembrar aqueles militares que, para justificar a ditadura, diziam que o povo não sabia votar. Caramba, se não posso palpitar sobre educação (ou sobre economia ou sobre incentivos fiscais ou sobre administração pública ou sobre futebol), não posso também votar.

Podemos e devemos palpitar sobre tudo - cabe aos ouvintes ou leitores avaliarem nossas opiniões. Além do mais, vale lembrar, os professores são pagos pela sociedade, pelos contribuintes. Como contribuinte, tenho direito de me manifestar sobre o uso que é feito com o meu dinheiro. Eu também pago o salário do professor que quer cassar o meu direito de palpitar, logo, posso e devo dar minha opinião, por mais idiota que venha a ser. Além do mais, educação - assim como segurança pública, saúde, jornalismo e futebol - é um assunto sério demais para ficar restrito apenas aos especialistas. Assuntos de interesse público devem ser debatidos por todo mundo - se abrirmos mão disso estaremos justificando qualquer ditadura. Acho que ainda precisamos aprender muito sobre democracia e sobre o embate de ideias.

Aí vai o artigo:

O fim dos professores

Sei não, mas parece que governos e sindicatos fizeram uma espécie de pacto com o inconfessável objetivo de acabar com os professores. Pelo menos, parecem se esforçar para desestimular qualquer pessoa a se dedicar ao magistério e para diminuir a relevância do profissional de ensino. Hoje é difícil encontrar professores para matérias como Física, Química e Matemática; temo que, daqui a alguns anos, o problema se repita em outras disciplinas.

A expansão da rede pública afundou de vez os salários dos professores. Como, de algumas décadas para cá, filhos da elite e dos políticos passaram a estudar em escolas particulares, os governos se lixaram para o ensino público, o que se refletiu nos salários dos integrantes do magistério. OK, são muitos professores, os aumentos têm que ser repassados para os aposentados, não é fácil pagar bem a tanta gente. As justificativas têm seu fundo de razão, mas servem apenas para legitimar uma espécie de suicídio coletivo: com o arrocho salarial, muitos jovens têm fugido da perspectiva de trabalhar nas escolas e buscam outras profissões. Isto representa uma ameaça para as futuras gerações de alunos, do ensino público e do particular, que precisarão de bons professores. Em breve, teremos que importar mestres.

Já sindicatos tendem a insistir na rotina de greves e se fecham na lógica corporativa. Correm de propostas de avaliação assim como secretários de Fazenda ou de Planejamento fogem de percentuais mais razoáveis de reajuste. Ao agirem assim, representantes do magistério tentam se colocar acima dos problemas do setor e procuram transferir para o Estado e para os próprios alunos a culpa pela baixa qualidade do ensino. Claro que os professores não são os únicos culpados por vergonhosos índices de aprendizado na rede pública, mas eles não podem se eximir desta responsabilidade. Ao propor o boicote a um sistema de avaliação, alguns sindicalistas se revelam conservadores, cúmplices de um sistema que condena pobres a continuar pobres. A melhoria da educação passa também pela cobrança de mais qualidade.

Os professores, que enfrentam tantas dificuldades, têm o direito de lutar por melhor remuneração, mas não podem ignorar seus compromissos com os estudantes, prejudicados por sucessivas greves. Um esforço ainda maior pela melhoria da educação daria mais respaldo à luta salarial e à própria categoria, é só lembrar como foi o apoio aos bombeiros.


1 Comentários Enviados

Fala Fernando!
Não sei se vc se lembra de mim. Fui professor de natação do Julio e do Felipe na Les Petits. Estou te seguindo no twitter e ainda ontem te mandei um texto sobre a Amy Winehouse. Como professor da rede pública (município), afirmo que sua opinião sobre os problemas de nossa classe está correta.
E como blogueiro e curioso, assino embaixo suas palavras, defendendo o nosso direito à opinião sobre qualquer assunto.

Abração
Cláudio

separador

Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site