Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

O Maraca é nosso

separador Por Fernando Molica em 07 de maio de 2011 | Link | Comentários (0)

O Informe do Dia de ontem, dia 6, foi todo dedicado à absurda (perdão, não consigo encontrar outra palavra) destruição do Maracanã. O governo do Estado - com a anuência do Iphan - optou por driblar a proposta de demolição do estádio, feita pelo João Havelange. Uma proposta pra lá de questionável, mas que tinha a vantagem de ser clara e objetiva. Para não enfrentar o debate sobre a demolição, optou-se por uma alternativa que, em tese, seria menos radical. Decidiu-se pela reforma. Uma obra que - diante do espantoso silêncio da maioria da imprensa, dos arquitetos e da própria sociedade - desrespeita o tombamento do Maracanã.

Bem, pessoas envolvidas no processo que decidiu pela proteção do estádio podem falar sobre o assunto melhor do que eu. Aí vão as notas da coluna de ontem.


Maracanã: revolta com obra

A autorização do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) para a derrubada da cobertura do Maracanã revoltou profissionais que participaram do tombamento do estádio, em 2000. Relator do processo de tombamento, o arquiteto Nestor Goulart Reis Filho afirma que a cobertura não poderia ser demolida "em hipótese nenhuma". Para ele, retirar a "marquise é como cortar a cabeça de uma pessoa". Segundo o arquiteto, "um bem tombado é intocável". O Iphan permitiu que a marquise seja substituída por um teto de lona.
.
Italo Campofiorito, que também participou do tombamento, é direto: "As reformas estão destruindo o Maracanã, o Iphan não protegeu o estádio". Em texto entregue, no mês passado, a colegas do Iphan, Claudia Girão, ex-chefe da Divisão de Proteção Legal do Instituto, afirma que a demolição da marquise é "uma descaracterização fundamental".


A decisão do superintendente do Iphan-RJ

Em 2010, o superintendente regional do Iphan, Carlos Fernando Andrade, permitiu a demolição do anel inferior do estádio; em abril passado autorizou a derrubada da marquise -- segundo laudos apresentados pelo governo do Estado, o teto não resistiria à estrutura que iria complementar a cobertura do estádio. No parecer, Andrade diz que a modificação não teria consequências paisagísticas, pois as alterações ocorreriam "abaixo do ponto focal do observador". Afirma que a estrutura do Maracanã não foi citada nos pareceres do tombamento.


A decisão de tombar o estádio

O processo de tombamento do Maracanã -- consultado ontem pelo Informe -- está arquivado no Palácio Gustavo Capanema, no Centro do Rio. Iniciados em 1983, os trabalhos foram retomados em em 1997, quando houve o anúncio de uma nova reforma no estádio. Em ofício ao governo do Estado, o então diretor do Departamento de Proteção do Iphan, Sabino Barroso se disse preocupado com a possibilidade de as obras descaracterizarem um bem "mundialmente conhecido". Na época, Claudia Girão escreveu que as modificações no estádio deveriam "respeitar a essência da obra e se condicionar às premissas de sua preservação como patrimônio histórico e artístico nacional".


Proteção total

Ao contrárido do que já foi divulgado, a proteção não é apenas para a parte externa do estádio. Quando discutiram o tombamento, os técnicos examinaram a colocação de cadeiras nas arquibancadas e se disseram preocupados com o fim da Geral, que só ocorreria anos depois.


Projeto audacioso
No processo de tombamento, os pesquisadores Adler Homero Castro e Regina Coeli Pinheiro da Silva destacaram que o projeto arquitetônico do estádio tinha "particularidades audaciosas para sua época, no que se refere à concepção e técnica".


Estádio é emblema da cidade

Campofiorito não aceita a tese de que a mudança da cobertura não afetaria a visão do estádio. "O Maracanã é sempre mostrado do alto, é um emblema da cidade", diz. Reis Filho frisa que obras em bens tombados só podem ser realizadas para preservá-los ou para restituir suas características. Em seu texto, Claudia Girão afirma que a remoção da marquise seria "uma das mais radicais intervenções realizadas até hoje em bens tombados que não sofreram incêndio ou outra calamidade."

Ao contrário das obras no Maracanã, mudanças na Marina da Glória foram levadas ao Conselho Consultivo do Iphan -- o anteprojeto foi aprovado na quarta passada. Até agora, a direção nacional do Instituto não se manifestou sobre o estádio.


Aplauso do Informe

Para o Maracanã, que é de todos nós
Ao longo de seis décadas, o Maracanã se firmou como o principal estádio brasileiro, palco de grandes alegrias e tristezas - o grito "o Maraca é nosso" pertence a todas as torcidas. Gerações e gerações aprenderam a gostar e a respeitar a beleza e a imponência de suas formas.


Bronca do Informe

Para a demolição da cobertura
Segundo organizadores da Copa, a ampliação da marquise do Maracanã seria uma exigência da Fifa: em jogos do torneio, todos os espectadores teriam que ficar cobertos. Vale lembrar que, na Copa passada, isto não foi cobrado dos sul-africanos.


Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site