Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

O dia em que todos fomos McCartney

separador Por Fernando Molica em 25 de maio de 2011 | Link | Comentários (0)

Coluna Estação Carioca, jornal O Dia, 25/5.

Boa parte dos jovens que foram ao Engenhão ver Paul McCartney sequer era nascida em 1990, ano em que ele cantou no Maracanã. Quando os Beatles se separaram, eu tinha 9 anos. Em tese, eles seriam referência para a geração anterior à minha, pessoas que, quando eu era bebê, estavam na juventude. Mas eles ultrapassaram esta e outras barreiras etárias e não param de conquistar admirado-res. De certa forma, Paul, John, George e Ringo continuaram juntos -- a separação foi um problema deles; a permanência do grupo e de suas canções foi assegurada por todos nós. Dois dos ex-beatles morreram? Só pra você, fã ingrato.

Chega a ser assustador ver McCartney ali no palco. É como ir ao Municipal assistir a um recital de Mozart, em pessoa. Não é sempre que podemos ficar a dezenas de metros de um clássico, uma referência mundial, alguém que, daqui a dois séculos, continuará a ser ouvido. Paul tinha uns 20 e poucos anos quando eu era menino; cresci, fiquei mais velho, mas ele continua jovem. De alguma forma, o sujeito nos mostra que é possível continuarmos jovens, apesar de nossas idades. Suas canções -- e as de Lennon e de Harrison -- parecem que acabaram de ser compostas, continuam a nos animar, a nos emocionar. Ao fim de 'The Long and Widing Road', um jovem que eu não conhecia virou-se para mim e se disse tocado por aquela triste história de amor. Concordei, também fiquei emocionado.

O assassinato de Lennon encerrou de forma trágica o Fla x Flu que dividia os fãs; uns ficavam com ele, outros com Paul. No Engenhão, todos éramos McCartney, garotos que, como eu, já tentaram aprender violão para lutar contra a timidez e, assim, chegar mais perto de alguma menina. Todos estávamos no palco, pulávamos meio sem jeito, falávamos obviedades, cantávamos as canções que são de todos nós. Será que Paul tem ideia do número de casais que suas músicas ajudaram a formar? Dos milhões de pessoas que se beijaram graças a um empurrãozinho de 'And I Love Her', 'Yesterday' ou 'My Love'? Enfim, velho amigo Paul. Obrigado pelas canções, pela alegria quase inacreditável de me ver de novo na plateia -- caramba, é mesmo o Paul McCartney! --, pelo prazer de viver aquela noite inesquecível. Obrigado, principalmente, porque saí do Engenhão mais jovem do que entrei, com os dedos machucados pelas cordas da guitarra imaginária que tanto toquei durante o show. Ah, volte sempre, não dá pra esperar por mais 21 anos.


Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site