Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

fevereiro 2011 Archives

Míopes perdidos nas praias cariocas

separador Por Fernando Molica em 24 de fevereiro de 2011 | Link | Comentários (0)

Estação Carioca, 23/02, jornal "O Dia":

O Choque de Ordem melhorou a situação nas praias da Zona Sul carioca, é ótimo poder caminhar até o mar sem se arriscar a levar uma bolada ou uma raquetada. O problema foi a derrapada na regulamentação das novas regras. Num primeiro momento, a prefeitura exigiu que o vermelho se tornasse a cor obrigatória das barracas que poderiam ser alugadas. A exigência acabou caindo, mas a grande maioria dos barraqueiros já havia adquirido ou recebido o material monocromático.

Quem bolou a tal norma não deve ter filhos e, certamente, não é míope. Ou então, tem filhos e é míope, mas nunca pisou na areia. As barracas diferentes representavam pontos de referência na orla, principalmente para quem sai do mar. Nesta hora, valia recorrer à memória visual para encontrar os pais ou os amigos -- perto da barraca amarela, ao lado daquela listrada de azul e branco. Imagine o sufoco do míope que, ao sair da água, depara-se com aquele mar vermelho formado por milhares de tendas desfocadas. O sujeito pode se imaginar num comício do PT. Por algum misterioso efeito colateral, nós, míopes, tendemos a ser mais distraídos, o que só piora a nossa situação e aumenta a dificuldade de descobrir de onde viemos e para onde vamos.

A ditadura vermelha complicou muito a vida dos pais das crianças mais grandinhas, que já podem ficar desacompanhadas na parte rasa da praia. Melhor: podiam, não podem mais. Crianças gostam de correr, andam pra lá e pra cá, ignoram aquela história do "não saia daí, tá?". Antes, elas tinham alguma facilidade de encontrar a barraca dos pais. Agora, esta possibilidade acabou. Os pais não podem mais tirar os olhos delas. Pior é a situação de quem, além de criança, é míope -- o mais razoável talvez seja amarrá-lo à barraca.

A praia carioca sempre foi marcada pela diversidade, um local de encontro de pessoas de várias origens. Ao contrário do que ocorre em outras cidades do País, uma saudável mistura continua a dar o tom da nossa orla, lugar de ricos e pobres, de cariocas e turistas. O mosaico formado pelas barracas de diferentes cores ilustrava a convivência, ajudava a dar o tom de uma praia que é de todos. Claro que, com o tempo, as barracas multicoloridas voltarão a ocupar seu espaço, mas, até lá, crianças e míopes vão continuar a penar para encontrar seu lugar ao sol. A prefeitura, responsável pelo vacilo inicial, bem que poderia dar uma força e apressar a mudança, de preferência, ainda neste verão.

.


Um livro útil

separador Por Fernando Molica em 08 de fevereiro de 2011 | Link | Comentários (3)

IMG_0244.JPGDepois de uma longa ausência - estou de férias, acabei de voltar de viagem -, publico uma informação relevante. Um livro inegavelmente útil, que vi numa loja de esportes de Barcelona.


BG
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site