Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

Meu último trema

separador Por Fernando Molica em 03 de junho de 2009 | Link | Comentários (4)

Para ressaltar "as línguas faladas dentro da Língua", Marcelo Moutinho e Jorge Sá-Reis, organizadores do Dicionário amoroso da língua portuguesa, optaram por não seguir as normas do novo acordo ortográfico. Os contos e poemas dos autores de países de quatro continentes foram publicados do jeito que mais parece traduzir a maneira que cada um tem de falar e pensar.

Antes que um protesto de características saudosistas, a decisão de Moutinho e de Sá-Reis reforça um ponto básico de toda essa discussão em torno do acordo. Até que ponto a diversidade ameaça uma unidade, no caso, a da língua portuguesa? Arrisco dizer que seria o contrário: a diversidade - de sotaques, de expressões, de jeitos de falar - até colabora para a formação de uma unidade dinâmica, corajosa, capaz de exprimir diversidade dentro de um conjunto que não pára de absorver mudanças.

Insisto num ponto que já levantei aqui. As diferenças ortográficas em nada impediam a leitura de autores do lado de lá do Atlântico. Mais, tornavam a aventura ainda mais saborosa, divertida. O grave é que o tal acordo procura formalizar uma maneira inédita de escrever o português. Não se buscou uma unidade em torno de consensos já existentes. Partiu-se para a criação de uma novilíngua que tenta construir pontes desnecessárias e que ajudam a enfear a paisagem.

Falou-se na necessidade de uma única norma culta, que preservasse o idioma, que facilitasse sua difusão internacional. É até engraçado falar em preservação numa época em que todos falam entre si, que as formas de comunicação estão tão acessíveis. Ao longo dos séculos, o português foi implantado nos confins da África e da Amazônia e soube resistir ao isolamento, à possibilidade de criação de dialetos. Falamos todos a mesma língua, não seria agora que, já bem grandinha, ela iria se perder.

Sei não, fico meio comovido ao ler, no meu conto que integra o Dicionário, a palavra "conseqüências": foi talvez a última vez que terei conseguido imprimir um trema em um livro. Talvez, só de sacanagem, dê o nome de Müller a algum futuro personagem. Os caras do acordo, afinal, decidiram respeitar o trema dos nomes próprios.


4 Comentários Enviados

Caro Fernando, só mesmo na cabeça dos burocratas lingüísticos, com trema, é que esse tipo de idéia faz sentido. Nem sei na verdade se não há algo maior por trás disso. Algo que seja uma boa desculpa para movimentar as gráficas.
Cada cultura tem suas peculiaridades, seus sotaques. Não é unificando a ortografia que se remove barreiras. Tenho lido literatura dos países lusófonos e, passadas as primeiras páginas, tudo é perfeitamente compreensível e enriquecedor. Não indo tão longe, será que se escrito hoje, Vidas Secas, teria que respeitar o acordo ortográfico? É um livro delicioso que contém centenas de palavras que sequer existem. Isso não faz dele um livro incompreensível. Enfim, aos meus cinqüenta anos, vou continuar a escrever da forma como fui ensinado. Não se mexe em time que está ganhando.
Forte abraço!

separador

Perfeito. Perfeito.

separador

Análise perfeita. Assino embaixo.

separador

Fernando, boa reflexão. A diversidade é tão fundamental quanto o ar para a existência humana.

separador

Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site