Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

O fascismo dos trotes

separador Por Fernando Molica em 11 de fevereiro de 2009 | Link | Comentários (5)

A idéia do trote sempre me foi estranha. Ouvia falar da prática quando ia a Viçosa, Minas, terra do meu pai. Lá, no início de cada ano letivo, era possível ver muitos carecas pelas ruas - é uma cidade pequena, dominada por uma importante universidade federal. Deve ser por isso que, desde criança, associei a idéia do trote a algo interiorano - como diria o Agamenon, com preconceito, por favor.

Eu não tinha noção disso, mas, na época - finzinho dos anos 60, início dos 70 -, a juventude universitária carioca parecia estar preocupada com tarefas mais relevantes, como a de derrubar a ditadura e implantar o regime socialista pela via revolucionária. Diante de desafios e objetivos mais nobres, a idéia do trote foi envelhecendo, acabou carcomida. Num momento em que jovens eram mortos e torturados seria um absurdo submetê-los a outra forma de tortura e de humilhação. Na prática, não se ouvia falar muito em trote aqui no Rio, pelo menos, no circuito Piedade-Méier.

Entre na faculdade em 79, duas semanas antes da posse do Figueiredo, que seria o último presidente do ciclo militar. No primeiro dia de aula houve uma espécie de trote: um vetereano, o Fernando Brito - que mais tarde se tornaria mais brizolista que o Brizola - entrou na nossa sala de aula, disse que era professor de filosofia, falou um monte de barbaridades e elencou uma bibliografia obrigatória de uns 15 itens - alguns livros em inglês, francês e - creio - em alemão. A brincadeira não durou muito. Depois, fomos convidados - sem qualquer ameaça física, sem qualquer humilhação - a fazer o que eles chamavam de "pedágio": tivemos que tentar empurrar para motoristas exemplares de alguma revista de poesia editada pelos alunos da faculdade. Em troca, recebíamos moedas que, uma hora depois, ajudaram a financiar uma roda de cerveja. Ninguém foi pintado ou teve a cabeça raspada.

Mas o trote voltou: deve ser por falta do que fazer (derrubar a ditadura, por exemplo). De uns anos pra cá, essa manifestação fascista ganhou força e recomeçou a fazer vítimas. Pior, os casos se tornaram mais graves, até mortes já foram registradas. É difícil imaginar o que gera o trote: talvez uma necessidade animalesca de se impor, de mostrar força, de compensar na humilhação ao outro algum outro tipo de impotência, de frustração sexual - sei lá. Sei que isso - repito - é fascismo puro e como tal não pode ser tolerado, principalmente em um ambiente universitário. Campus universitário não é filial da Baronetti, aquela boate do Rio onde jovens volta e meia caem na porrada.

O trote é ilegal - sua tolerância e admissão se constituem em outro crime. Autonomia universitária é o cacete: a polícia e o MP têm obrigação de reprimir a prática e de punir seus autores e seus cúmplices (diretores e donos de faculdade). Não se pode tolerar o fascismo.


5 Comentários Enviados

ABAIXO OS TROTES!

Houve um momento em que se tentou transformar a recepção aos calouros numa ação social efetiva como a doação de sangue, recolhimento de alimentos e brinquedos etc. para carentes. O efeito de generosidade foi esquecido e a violência voltou. Mesmo assim há jovens que têm consciência e partem para a criatividade. É o caso da aluna e atriz/palhaça Sluchem Cherem. Em repúdio à ação dos colegas de São Paulo que fizeram covardia com os calouros, ela bolou um trote diferente em Nilópolis para os universitários da CEFET da turma de produção cultural. Os veteranos compraram ovos e pintaram carinhas de palhaço e entregaram para os calouros. Cada calouro ficou responsável por um ovo “palhacinho” durante uma semana, caso quebrasse o calouro pagaria R$ 40,00 (quarenta reais) que foi revertido para a primeira chopada dos mesmos. Em tempos de crise, muitos se esmeraram no zelo ao palhaço “ovíparo”; se a cervejada não foi das mais fartas, pelo menos a violência não teve espaço.

separador

Caro Fernando,
Obrigado pela visita (da qual fico lisongeado) e pelas palavras. Não penso que se trate de um romantismo e, muito menos, acredito que deixe de ser. Você tem total razão ao identificar a crescente de um jornalismo multifacetado pelo entretenimento. O 30 por 1 do Obama, é a regra essencial do jogo social contemporâneo. Mesmo com as críticas estruturadas a vários pontos desta áura moderna, concordo com você: de uma forma ou de outra o jornalismo sempre encontra o seu espaço. Está inserido no epicentro social humano. Um grande abraço.

Eduardo Freire

separador

Obrigado, Eduardo. Irei lá.

Abração.

separador

Molica, envei seu texto anterior, sobre a disputa nos blocos, para várias pessoas, pois também já havia notado que as coisas não andavam mais como deveriam. Este sobre o trote é fundamental. Bato nessa tecla há tempos, não há como tolerar esta barbaridade. Assino embaixo de tudo que foi dito aqui.
Um abraço.

separador

Caro Fernando, mais uma vez os meus parabéns. Há anos venho empenhando campanha contra esta selvageria sem propósito que é o chamado "trote universitário". O momento em que todos deveriam comemorar por romper uma barreira em que uma mínima parcela da sociedade tem acesso, e de se exaltar o sentimento de concretização ao ser inserido no grau superior de ensino, acabamos na verdade é por presenciar, como você muito bem disse: "por falta do que fazer (derrubar a ditadura, por exemplo)", este lamentável show de violência e humilhação deflagrado aos recém-chegados nas faculdades e universidades. Nossa sociedade e, sobretudo a juventude, está apática. Anestesiada desde o fim da ditadura, decretada pelo general Figueiredo como você também aqui bem lembra, porque este sim foi o seu maior colaborador, que além de não gostar de pessoas, mas apenas de seus cavalos, pra nossa sorte, ainda afirmou que faria a abertura nem que fosse na pancada!, todos de certa forma foram vítimas desta alienação subjulgada no plano dos militares que, infelizmente deu certo e se perpetuou na nossa sociedade, haja vista este embrião da tortura física e psicológica presente no trote. Convido-o ainda meu caro Fernado a ler meu artigo recente no blog Repórter Sem Fronteira, sobre "intolerância e fé" contra o jornalismo, em que conceituo um pouco mais sobre o tema. Obrigado mais uma vez pelo espaço e parabéns mais uma vez pela reflexão e, esteja certo, desabafo oportuno.

separador

Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet maio 2020
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site