Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

O jornal jogado no chão

separador Por Fernando Molica em 26 de setembro de 2008 | Link | Comentários (5)

Hoje, há pouco, joguei o jornal no chão. Nada contra o jornal em si, mas contra as notícias. Mais: contra os fatos que geraram as tais notícias. OK, já sou cascudo, tenho 47 anos, estou há 27 anos enfiado em redações. Já subi muito morro, encarei miserê pra todo lado - cadeia, fila de hospital, bandidos de várias classes sociais. É difícil ficar espantado. E, depois de tanto tempo, continuo achando que acordar e pegar os jornais na porta de casa é um grande prazer, um dos mais antigos da minha vida.

Uma leitura meio desconexa: leio o primeiro caderno de um jornal, pulo para o noticiário do Botafogo que está em outro, dou uma olhadinha numa matéria mais ou menos interessante, vou me ilhando no meio de jornais espalhados pelo chão. Hoje, no meio desse processo, dei de cara com uma seqüência de notícias barra-pesada. O médico que levou um cacetal de tiros em Niterói, o garoto de 17 anos que morreu ao ser atingido por uma bala sem rumo, a prisão de delegados da PF acusados de chefiar uma quadrilha e - e aí perdi as estribeiras - a história de crianças de 10 anos que se prostituem em Brasília, ali perto do Palácio do Planalto. Ganham R$ 3,00 ou um prato de comida para praticarem sexo oral com motoristas.

É daquelas notícias que a gente lê com nojo, com raiva, com indignação e, principalmente, com vergonha. Pior é que não foi a primeira vez que li algo semelhante. Não havia ali qualquer novidade. Crianças pobres, sem qualquer expectativa - talvez nem a expectativa de freqüentarem escola para continuarem analfabetas -, pagando boquete em marmanjos: taxistas, policiais, empresários, funcionários públicos, sei lá. Isso, no mesmo país que se diz melhor, legal, animado, que não se preocupa com a crise (é do Bush, né?). Perplexo, aturdido, me vinguei em quem me contava a história - e taquei o jornal no chão.



5 Comentários Enviados

O pior é que se vc lê o noticiário do Botafogo, acaba fazendo o mesmo. Com certeza, joga o jornal no chão.

separador

Bem, caro Daniel, às 2h11 da madrugada de sábado, arrisco dizer que a insistência no jornalismo tem um pouco a ver com a própria insistência na vida: não há outra saída.

Abraços.

separador

Caro Molica, acabei de me dar conta de que, apesar de toda a aparente amargura da classe jornalística, o jornalista é um otimista. Anos e anos cobrindo a tragédia social brasileira, insistindo em suas denúncias, é um sintoma de esperança. Ao contrário de muita gente, que cansou de ler jornal, cansou de ler sempre as mesmas notícias sobre as vergonhas nacionais todas. Várias pessoas, eu inclusive, já jogaram os jornais no chão, de vez. Jornalistas são persistentes, uns mais, outros menos, bem menos... Abs.

separador

Um menino descalço!

separador

Pior é a foto do menino saindo da Mercedes do canalha.

separador

Deixe seu Comentário











Type the characters you see in the picture above.

BG
Arquivo do Blog
bullet maio 2020
bullet março 2020
bullet dezembro 2019
bullet novembro 2019
bullet outubro 2019
bullet agosto 2019
bullet julho 2019
bullet maio 2019
bullet abril 2019
bullet março 2019
bullet fevereiro 2019
bullet janeiro 2019
bullet outubro 2018
bullet setembro 2018
bullet agosto 2018
bullet junho 2018
bullet maio 2018
bullet abril 2018
bullet fevereiro 2018
bullet janeiro 2018
bullet dezembro 2017
bullet outubro 2017
bullet setembro 2017
bullet agosto 2017
bullet julho 2017
bullet junho 2017
bullet maio 2017
bullet abril 2017
bullet março 2017
bullet fevereiro 2017
bullet janeiro 2017
bullet dezembro 2016
bullet novembro 2016
bullet outubro 2016
bullet setembro 2016
bullet agosto 2016
bullet julho 2016
bullet junho 2016
bullet maio 2016
bullet abril 2016
bullet março 2016
bullet dezembro 2015
bullet novembro 2015
bullet outubro 2015
bullet agosto 2015
bullet julho 2015
bullet junho 2015
bullet abril 2015
bullet março 2015
bullet dezembro 2014
bullet junho 2014
bullet maio 2014
bullet abril 2014
bullet dezembro 2013
bullet novembro 2013
bullet outubro 2013
bullet setembro 2013
bullet agosto 2013
bullet julho 2013
bullet maio 2013
bullet abril 2013
bullet março 2013
bullet fevereiro 2013
bullet janeiro 2013
bullet dezembro 2012
bullet novembro 2012
bullet outubro 2012
bullet setembro 2012
bullet agosto 2012
bullet julho 2012
bullet junho 2012
bullet maio 2012
bullet abril 2012
bullet março 2012
bullet fevereiro 2012
bullet janeiro 2012
bullet dezembro 2011
bullet novembro 2011
bullet outubro 2011
bullet setembro 2011
bullet agosto 2011
bullet julho 2011
bullet junho 2011
bullet maio 2011
bullet abril 2011
bullet março 2011
bullet fevereiro 2011
bullet janeiro 2011
bullet dezembro 2010
bullet novembro 2010
bullet outubro 2010
bullet setembro 2010
bullet agosto 2010
bullet julho 2010
bullet junho 2010
bullet maio 2010
bullet abril 2010
bullet março 2010
bullet fevereiro 2010
bullet janeiro 2010
bullet dezembro 2009
bullet novembro 2009
bullet outubro 2009
bullet setembro 2009
bullet agosto 2009
bullet julho 2009
bullet junho 2009
bullet maio 2009
bullet abril 2009
bullet março 2009
bullet fevereiro 2009
bullet janeiro 2009
bullet dezembro 2008
bullet novembro 2008
bullet outubro 2008
bullet setembro 2008
bullet agosto 2008
bullet julho 2008
bullet junho 2008
bullet maio 2008
bullet abril 2008
bullet março 2008

separador bullet Arquivo Geral

separador bullet Blog Anterior (Online)
bullet Blog Anterior (PDF)
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site