Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa

Blog

Pontos de Partida, o Blog do Fernando Molica

separador
BG

julho 2008 Archives

Amorim, o falastrão

separador Por Fernando Molica em 31 de julho de 2008 | Link | Comentários (0)

Será que vale dar uma examinada na água que andam servindo no Itamaraty?


Desindexação das armas

separador Por Fernando Molica em 31 de julho de 2008 | Link | Comentários (0)

E vamos pra segurança pública de novo. Rapidinho: já tem gente reclamando da decisão do secretário de Segurança do Rio, José Mariano Beltrame, de restringir o uso do fuzil em áreas urbanas. A decisão foi anunciada em maio e reafirmada nos últimos dias.

Nunca troquei tiro, jamais apertei em gatilho, sei, apenas em tese (graças a Deus!) dos efeitos de um tiro de fuzil. Mas a idéia do Beltrame, respaldada pela Secretaria Nacional de Segurança Pública, é interessante. Talvez sirva para iniciar uma espécie de desindexação da lógica armamentista que há algum tempo se impõe aqui no Rio.

Na época da inflação alta os preços eram indexados, um aumento puxava o outro, numa espiral sem fim. A situação é parecida no Rio: cada vez temos mais armamentos, cada vez mais pesados. Nessa brincadeira, as forças de segurança do estado acabaram proprietárias de 12 blindados, os caveirões - o que é uma doideira. Interromper a indexação das armas talvez seja um bom passo. é possível até que se dedique mais tempo para impedir que bandidos tenham acesso a armas e a munição de guerra.


"Predadores"

separador Por Fernando Molica em 29 de julho de 2008 | Link | Comentários (0)

Pepetela1.JPGTerminei ontem a leitura das 545 (!) páginas de "Predadores", de Pepetela, lançado por aqui durante a Flip. Bom? Ruim? Bem, mais ou menos. Se fosse ruim, eu não teria atravessado tantas e tantas páginas. O livro oferece um bom panorama da Angola pós-independência, mostra como uma nova elite foi sendo criada dentro e em torno da estrutura do MPLA, detalha os crimes e a cafonice de um novo-riquismo que emerge no novo país.

Isso tudo é legal, interessante, ajuda a entender um pouco o que se passa lá do outro lado do Atlântico. O problema do livro é outro. Os personagens são um tanto quanto esquemáticos. O predador-mor, o Vladimiro Caposso, é meio fdp demais, autoritário, corrupto, oportunista, sem qualquer escrúpulo. O Nacib, jovem idealista de origem pobre, apaixonado pela filha do VC, é um cara bem legal, sujeito boa-praça, esforçado, estudioso, meio bobão nas questões do amor.

Nacib não chega a ser um antagonista explícito do VC - os dois, se me lembro bem, nem chegam a ter algum encontro. Mas o gajo é uma espécie de antagonista moral do protagonista: de um lado, VC, o mal encarnado que corrói as esperanças de um novo país, da pátria socialista dos sonhos; do outro, o idealista e trabalhador Nacib. Um outro personagem, o advogado Sebastião Lopes, também surge para fazer contraponto a VC.

Posto em desgraça logo depois da independência - acusado de ter posições contrárias ao novo regime -, Lopes, pelo contrário, encarna os "verdadeiros" ideais do MPLA. Ex-amigo de VC, o reencontra lá na frente, quase no fim do livro: permanece pobre, advogado de pobres, mas é um homem honrado, ungido pela força de princípios. "Sentiu alguma inveja, há muitos anos ninguém lhe olhava daquela maneira, grata e humedecida, com respeito também" - neste trecho, Pepetela diz como VC se sente ao ver o respeito que pobres devotavam a Lopes.

Pois. O livro ajuda a entender Angola, a África e, de certa maneira, o próprio Brasil - há um pouco de VC no comportamento deslumbrado, corrupto e atabalhoado de muitos dos que chegaram ao poder no últimos anos. Mas "Predadores" fica a dever como literatura, arrisca pouco na tentativa de entedimento de homens e de suas contradições. O jogo não é tão simples, não se resume a bons e maus.


"Nome próprio"

separador Por Fernando Molica em 26 de julho de 2008 | Link | Comentários (0)

nomeproprio.jpg

O filme do Murilo Salles vale o ingresso com sobras. Pela ótima interpretação de Leandra Leal, pelas belíssimas e ágeis imagens captadas pelo próprio Murilo, pelas bem sacadas soluções de inserção de textos na tela, pela trama-meio-sem-trama de uma adorável/detestável jovem blogueira que vive e escreve de forma furiosa (chega a dizer algo como "pra mim, o caos é ordem").

O mergulho de "Nome próprio" no tal universo feminino é corajoso, sensível e tem, entre outras, uma cena antológica: a Camila, personagem principal, sai de mais uma de suas complicadíssimas relações e, angustiada, com pouca grana (se apropriou de alguma do ex), vai a uma... sapataria e compra um belo e caro par de botas. Só quem nunca viveu com uma mulher desconhece esta curiosa atração que sapatos em geral, e botas em particular, exercem sobre esses seres tão particulares.


O direito de matar

separador Por Fernando Molica em 24 de julho de 2008 | Link | Comentários (5)

O debate sobre direitos individuais e coletivos é sempre meio complicado. Até que ponto vai o meu direito, em que lugar começa o direito da coletividade? Principalmente, a partir de que referência a sociedade/coletividade tem direito a cercear meu direito individual? Boas e velhas perguntas. Bem, tudo isso é pra falar no desembargador do Rio que deu uma espécie de 'habeas-copos' (a expressão é de um amigo lá do Dia) para um agente de segurança.

Com base num dispositivo da Constituição que dá a qualquer um o direito de não fazer prova contra si mesmo, o desembargador emitiu pro segurança um salvo-conduto: o sujeito não está obrigado a se submeter a testes que comprovem sua eventual embriaguez.

Sei lá, longe de ser abstêmio. Mas há muito tempo que vinha evitando dirigir depois de beber. Tinha lá minha tabela particular, uma margem de tolerância que permitia - ou não - uma combinação entre álcool e volante. Claro que a Lei Seca atrapalhou um pouco minha vida. Mas, na boa: que bom que ela foi sancionada. Eu posso ter o direito de fazer o que bem entender da minha vida, mas não tenho o direito de ferrar com a vida de ninguém. As primeiras estatísticas são transparentes: o número de mortes no trânsito despencou depois da Lei.

É até engraçado, achei que a grita contra a Lei ia ser maior, que haveria protestos mais consistentes contra uma suposta invasão do Estado na vida do cidadão. Mas não, foi tudo mais ou menos tranqüilo. Pelo que sei, até a molecada aceitou as novas regras do jogo sem chiar muito. Até acho que havia um, sei lá, certo desejo recalcado de repressão: é como se as pessoas desejassem algo que as protegesse, que estabelecesse limites ("Proteja-me do que desejo", como escreveu uma artista plástica que, há alguns anos, saiu projetando frases como esta em montanhas e prédios aqui do Rio).

Com o cinto de segurança foi mais ou menos assim. Muitos tinham um certo pudor de usá-lo: a obrigação os livrou do mico. Usar o cinto deixou de ser um sintoma de fraqueza, de caretice, passou a ser algo necessário: quem descumprisse a lei tomava multa.

Bem, ontem o desembargador Antônio José Carvalho imitou um colega de São Paulo e achou que a Constitução garante a todos o direito de encher a cara e, em seguida, dirigir. Aguardemos novas liminares, novos beneficiados e, principalmente, aguardemos as estatísticas de acidentes de cada fim de semana. Esperemos também que o beneficiado pela liminar, o Marcos Aurélio Lisboa Rodrigues, seja prudente.


Entreposto

separador Por Fernando Molica em 22 de julho de 2008 | Link | Comentários (2)

Acabo de ler que o jogador do Vasco Philippe Coutinho foi vendido para a Internazionale de Milão por 3,8 milhões de euros - uns R$ 10 milhões. Bem, o Philippe tem 16 anos de idade e nunca jogou no time principal do Vasco. Boa sorte ao Philippe, que seja feliz. Mas, caramba, será que nunca vamos parar com esse negócio de importação e exportação de gente? Sei lá, dá uma certa vergonha, uma certa tristeza.


Oficina de contos

separador Por Fernando Molica em 21 de julho de 2008 | Link | Comentários (0)

O amigo Marcelo Moutinho começa, no dia 7 de agosto, uma oficina de contos na Estação das Letras. Nas aulas, os alunos serão provocados a escrever contos a partir de temas que serão buscados nos jornais, em canções ou mesmo em outras narrativas literárias. Recomendo, pra quem quiser conhecer um pouco do trabalho do Moutinho, a leitura do seu último livro, "Somos todos iguais nesta noite", editado pela Rocco. Um livro cheio de histórias ágeis, de toques precisos e de primeira. Vale também uma passada em seu blog/site. Ah, as aulas serão às quintas, das 19h30 às 21h30 - a oficina irá até dezembro.


"A Gazeta"

separador Por Fernando Molica em 19 de julho de 2008 | Link | Comentários (0)

Segue resenha de "O ponto da partida" publicada, hoje, 19 de julho, no jornal "A Gazeta", de Vitória.


Um homem em busca de uma história
(Tiago Zanoli - A Gazeta)

Pode-se ter a idéia de que, para um repórter policial, a violência é uma rotina vista com indiferença, como se a cobertura diária dos crimes tivesse um efeito anestésico. Mas até jornalistas experientes e velhos de guerra podem ter dificuldade para suportar o horror da brutalidade que cerca ruas e esquinas dos grandes centros urbanos, como o Rio de Janeiro.

Em meio ao belo cenário carioca, Ricardo Menezes, um repórter de meia-idade, busca no passado uma válvula de escape que lhe dê forças para lidar com mais um assassinato. Saudosista, ele se agarra aos versos de Nelson Cavaquinho e às lembranças de um jornalismo "romântico" que não viveu, com seus personagens folclóricos, a exemplo de um certo João Carniça - que não sabia escrever, mas "apurava pacas".

Uma daquelas velhas histórias curiosas e engraçadas, que o faça rir, é tudo o que deseja Ricardo, o protagonista de "O Ponto da Partida". Lançado recentemente pela editora Record, é o terceiro romance do jornalista e escritor Fernando Molica, autor de "Notícias do Mirandão" (2002), "O Homem que Morreu Três Vezes" (2003) e "Bandeira Negra, Amor" (2005).

Por meio de uma narrativa não-linear, intercalando primeira e terceira pessoas, Molica apresenta um personagem em crise de meia-idade, dividido e preso ao passado, incapaz de compreender e conviver com a nova geração - aqui representada por seus próprios filhos e pelos jovens jornalistas que enchem as redações de hoje.

Passado

A estrutura se alterna em três tempos: o momento presente, em que Ricardo está de plantão diante de um cadáver na praia do Arpoador; um passado recente, com cenas ocorridas naquele mesmo dia; e outro mais antigo, que revê toda a trajetória pessoal e profissional do protagonista.

Enquanto aguarda, durante toda uma madrugada, que a polícia recolha o corpo esquartejado de uma mulher, Ricardo revira os arquivos de sua memória, em busca de mais uma história do saudoso João Carniça. Desejando encontrar conforto, acaba tendo de enfrentar seus próprios demônios, como as lembranças do fracasso como pai de família e do desprezo dos filhos.

O homicídio, que serve de mote para o livro e foi tirado de uma situação real vivida pelo autor, é apenas pano de fundo para a história. Em vez de se concentrar na solução do crime, como nos romances policiais, Fernando Molica fecha o foco no personagem - sua subjetividade, seus desejos, suas angústias.

O protagonista, boêmio confesso, interfere na história de tempo em tempo. A narrativa em primeira pessoa assume o tom coloquial de uma conversa de botequim. Ricardo despeja seu desabafo, recheado de nostalgia e desencanto, profissional e pessoal. O tom de sua voz, no entanto, em vez de melancolia, revela um senso de humor cáustico.

Divorciado de Adélia, uma advogada bem-sucedida e corrupta, ele manifesta seu ódio pela ex-mulher e não poupa críticas aos próprios filhos: a fútil e consumista Caroline e Carlos, que faz questão de ser o oposto de tudo aquilo que o pai representa. Apesar disso, Ricardo reconhece que não é totalmente inocente pelo casamento frustrado e o abismo afetivo que o separa dos filhos.

Ao final, com o dia já clareando, o corpo abandonado na praia é recolhido, e Fernando reserva uma virada surpreendente para o seu desiludido protagonista. De duas outras derrotas pessoais, surge a perspectiva de uma nova vida e um recomeço. Caminhando pelas ruas do Rio, Ricardo alimenta a esperança de que "o sol há de brilhar mais uma vez".

Confira

Fernando Molica
O Ponto da Partida
Record 192 páginas
Quanto: R$ 32, em média

Trecho do livro

Pode parecer engraçado, mas, naquela época, repórter não precisava escrever. Sério. O João Carniça era um que não conseguia juntar duas palavras. Mas apurava pacas, era complicado correr com ele, muito garoto novo penou, tomou furo do João. Ele, coitado, nem tentava escrever. Só que começou a chegar nas redações uma molecada de faculdade, uns cabeludos de livro debaixo do braço, de bolsa de couro, e, principalmente, umas menininhas de calças jeans, de camiseta, sem sutiã, umas gracinhas.

Todos sabiam escrever, iam pra máquina e disparavam, igual a metralhadora. E o João ficava cabreiro, meio envergonhado com aquela história de chegar da rua e ir direto até a mesa do seu redator, é, havia um redator que cuidava dele, um personal writer: não era todo mundo que conseguia transformar em matéria a apuração dele, aquelas anotações complicadas, rabiscadas num bloco seboso, meio nojento. Mas o João chegava, ia pra frente do redator e começava a contar a história. Engraçadíssimo, tinha gente que parava de trabalhar só pra ver. O João quase se perfilava diante do cara, punha os óculos de leitura, dava uma lambida no indicador, virava uma página do bloco e começava a recitar.

Ele tinha uma voz forte, assim meio de barítono; não ditava, declamava a ocorrência. O começo era quase sempre o mesmo: "Uma viatura comandada pelo sargento Fulano de Tal, da Polícia Militar..." Ou então: "Como decorrência" - ele adorava o "como decorrência"- "das investigações conduzidas pelo delegado Melquíades Peixoto, do 25º Distrito, a polícia logrou êxito ao prender o marginal Carlinhos do Cabuçu, que desde ontem deixou de se constituir em um perigo para a sociedade." O tal do delegado Peixoto era compadre do João, estava sempre naqueles ditados que ele fazia para o redator.

O sujeito ficava ali, ouvindo a lengalenga, e ia transformando aquilo em matéria, em texto publicável. Mas o João foi se chateando, se sentindo meio humilhado, era um dos poucos que não escreviam matéria. Ficava assim meio triste quando via aquelas mocinhas bonitas, novinhas, redigindo o próprio texto. E pediu pra começar a escrever. Conversou com o redator, tomou algumas lições, faça isso, aquilo, evite os adjetivos, não precisa dar sempre o nome do delegado, do sargento, do soldado, cuidado com as acusações. E, claro, não repita palavras, isso empobrece o texto, cansa o leitor. O João ouvia, anotava, arrumava aquelas coisas todas na cabeça. Ficou impressionado com aquela história de não repetir palavras: "Ah, é assim, é?" E num belo dia foi fazer uma matéria sobre o assassinato de um pescador, o cara, sei lá, morava em Niterói, parece que tinha sido esfaqueado pela mulher, um negócio desses. Tinha bebido demais, o de sempre.

Como diria o João, consta que - ele também gostava muito do "consta que" - a dona Maria, a mulher do pescador, estava meio puta naquele dia, cansada de trabalhar, de cuidar das crianças, de aturar ordem de marido bêbado. O sujeito chegou em casa tarde, trocando perna, falando enrolado, com aquela penca de peixe fedorento nas mãos, mandando a mulher ir pra cozinha cuidar do jantar. E, ainda por cima, ameaçando encher a coitada de porrada. Foi o limite. Baixou um caboclo nela, que perdeu a paciência, pegou um facão e, vupt!, abriu um rasgo deste tamanho na barriga do velho homem do mar. O João Carniça foi lá, enrolou os policiais, conseguiu conversar com a mulher, falou com os filhos, apurou tudo, todos os detalhes. Chegou na redação orgulhoso, nariz meio empinado.

Aproveitou que era um plantão, tinha menos gente trabalhando, o seu redator estava de folga. Resolveu escrever o texto. E ia pensando, nada de enfileirar nomes de policiais, nada de adjetivos e, principalmente, nada de repetir palavras. Sentou-se diante da máquina e taquitiquicati, pá-pápá, tuc-tuc-tuc, pow, pow. Saiu catando milho, dando porrada na Remington. O cara chegava a suar, coitado, de tão nervoso. Sabia que a redação estava de olho nele, todo mundo dava um jeito de levantar, ir no café, passar por ali pra ver como o João se virava naquele trabalho de parto. Depois de quase duas horas, ele tirou a última lauda da máquina e se levantou. A lata do lixo estava cheia de laudas amassadas, rasgadas. Mas ele, coitado, sorria orgulhoso, aquele sorrisão bonito, que mostrava o canino de ouro. Foi então ao editor, acho que era o Magalhães, e entregou as duas laudas, dobradinhas. "Taí, chefe, é só dar uma lida e mandar pra oficina." E o Magalhães, tenho quase certeza que era ele, começou a ler. O lide, o início da matéria, estava até correto, o problema foi na hora em que ele descreveu o momento do crime, a porra da preocupação de não repetir as palavras. Ficou mais ou menos assim: "O pescador entrou na cozinha com os peixes nas mãos e disse para a esposa: "Mulher, frite os mesmos!"

Pra não repetir a palavra peixes, o João Carniça disse que o pescador tinha mandado a mulher fritar "os mesmos"! O Magalhães ficou vermelho, começou a rir, tentava segurar o riso e não conseguia, não queria humilhar o João, todo mundo gostava muito dele, mas não deu, o sujeito foi ficando sufocado de tanto prender o riso. "Frite os mesmos!" A lauda circulou de mão em mão, bateu todos os recordes internos de leitura. Claro que aquele absurdo não foi publicado, um redator deu um jeito. Mas a história ficou, né? Pior é que, no dia seguinte, o dono do boteco que fica ali embaixo do jornal colocou no cardápio do almoço, naquele quadro-negro, bem na entrada do bar: "Prato do dia: Mesmos fritos com feijão, arroz e salada." Todo mundo comeu peixe naquele dia, uma sacanagem. Neguinho ria e comia, ria e comia. Coitado do João.


Tu e você

separador Por Fernando Molica em 17 de julho de 2008 | Link | Comentários (2)

Sempre achei meio esquisita essa diferenciação que fazemos ao nos dirigimos a outras pessoas: dependendo da idade e da situação social do interlocutor usamos o "senhor/senhora" ou, simplesmente, o "você" (ainda que ultimamente, pelo menos aqui no Rio, o "você" tem sido substituído pelo "tu", mesmo com o verbo na terceira pessoa).

Mas fiquemos no "senhor/senhora" e no "você". É algo que revela muito de nossa sociedade. Por definição, o porteiro chama o proprietário de "senhor" e é por ele tratado por "você" - mesmo que o funcionário do prédio seja mais velho que o dono do apartamento. Da mesma forma, tendemos a chamar o médico de "senhor". O mesmo vale para os entrevistados - a menos que eles sejam artistas ou atletas. Tanto que, na prática, o "senhor" virou um pronome pessoal, de tratamento.

Em inglês, o "you" resolve qualquer parada. Em francês é um pouco mais complexo, claro: usa-se o "vous" e o "tu" dependendo do grau de intimidade que se tem com o interlocutor. Eu precisei voltar a Portugal para descobrir que, por lá, eles também usam a mesma diferenciação: "você" (que vem de "vossemecê"/"vosmecê" - "vossa mercê") para pessoas não-íntimas e "tu" para amigos, mulheres, maridos, filhos.

Claro que não se muda uso da língua por decreto - a não ser, claro, em situações revolucionárias, "cidadão Fulano", "camarada Beltrano". Mas não deixa de ser uma pena que não tenhamos transposto para cá essa prática lusa.


Aviso aos navegantes

separador Por Fernando Molica em 17 de julho de 2008 | Link | Comentários (0)

Cuidado com provedores como o/a Locaweb, que contratei para colocar o site e o blog no ar. Volta e meia tudo fica fora do ar. Nos últimos dias houve novidades: 1. a página do blog ficou inacessível; 2. eu não conseguia entrar na página de administração do site. O pior é que os caras não dão satisfação, não se dignam a oferecer algum tipo de reparação pelos problemas causados. Agem movidos por uma soberba absoluta. Fica o registro.


Pepe Legal

separador Por Fernando Molica em 13 de julho de 2008 | Link | Comentários (0)

IMG_0102.JPGIMG_0090.JPGPubliquei, no Informe do Dia, duas notinhas sobre Pepetela, escritor angolano que esteve na Flip. A primeira nota ressaltava que o cara é simpático, boa-praça, não cultiva a pose de escritor-angustiado-perdido-nos-trópicos. Chegou a dizer que se sentia o Brad Pitt, de tanto que estava sendo fotografado. Depois da nota publicada, me arrependi de não ter usado o título que uso agora neste post. Que vai ao ar apenas para que eu possa, enfim, utilizar o apelido. Aproveito e coloco duas fotos do cara: na mesa de autógrafos, ao lado da nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie, e com a agente literária Nicole Witt.


Produto

separador Por Fernando Molica em 11 de julho de 2008 | Link | Comentários (2)

Esse negócio de colocar robô para editar site dá nisso. Fui procurar no Google uma referência específica a algo que eu tinha feito e olha só o anúncio que apareceu na página que exibia o resultado das buscas:

Fernando Molica em Oferta
Compare e ache os menores preços de
Fernando Molica no Shopping UOL!
www.ShoppingUOL.com.br
Rio de Janeiro

Que fique claro: não estou à venda.


Tiros e Paraty

separador Por Fernando Molica em 10 de julho de 2008 | Link | Comentários (0)

Flip.JPG
Com um pouco mais de tranqüilidade, tento explicar o post anterior: sabemos todos que a vida é dura, bruta, cruel; que volta e meia ela nos esfrega uma tragédia na cara, como a que ocorreu com o menino João. Moro no Rio desde que nasci, sou jornalista há 27 anos, deveria estar meio vacinado, preparado para enfrentar situações semelhantes. O pior é que estou! Mas, de vez em quando, a surpresa - ruim - é pesada demais. Um choque que, de certa forma, procurei abordar em "O ponto da partida".

Lembro que há uns dois anos fui cobrir, no cemitério do Irajá, o enterro de um jovem torcedor do Botafogo, morto num daqueles confrontos com torcedores de outro time, no caso, do Fluminense. Era um garoto de uns 18/19 anos, entregador de supermercado, um sujeito que, suponho, transferia para o amor pelo time a responabilidade de criar um pouco mais de sentido para sua vida. Acabou morrendo por uma idiotice qualquer: ver aquele caixão sendo enterrado, o desespero de sua mãe, foi muito complicado. Foi uma das poucas vezes que me emocionei numa reportagem, tive que sair dali de perto.

A história do menino João teve um efeito semelhante, cheguei a escrever um artigo sobre o episódio, que foi publicado na edição de ontem, quarta, de O Dia . Mas, sobre o post anterior: é que tragédias como essas assumem uma dimensão ainda mais grotesca quando - e este foi o meu caso - se acaba de sair de uma situação absolutamente inversa. Tinha acabado de chegar da Flip, durante quatro dias vivi como num cenário, uma cidade inacreditavelmente bela, povoada de pessoas que estavam ali atraídas por um evento relacionado a livros. Não importa se parte delas estivesse ali por motivos menos, digamos, nobres. O relevante que tudo em Paraty girava em torno dos livros. E isso não é pouco num país como um nosso.

Claro que não é preciso um caso como o do menino João para gerar um despertar do sonho: as correntes que impedem a entrada de carros no centro histórico de Paraty também funcionam como fronteiras de dois universos: do lado de cá, a cidade histórica, bonita, bem-conservada, freqüentada por turistas/autores/editores mais ou menos abonados.

Do lado de lá, a Paraty contemporânea, onde moram aqueles que fazem a cidade histórica funcionar: garçons, atendentes de hotéis, funcionários de supermercados. Uma cidade, esta, a nova, parecida com qualquer subúbio do Rio, com centros urbanos da Baixada Fluminense: aquelas casas e prédios sem estilo definido, uma composição urbanística que não respeita qualquer possibilidade de harmonia. A fachada do supermercado briga com a do banco, que agride a da sapataria, que, por sua vez, se vê ofuscada pelo letreiro da farmácia. Pelas ruas, pessoas mais ou menos pobres, filhas e netas de pescadores da região - pessoas que não vemos nas tendas da Flip. Entram ali, no máximo, como personagens de algum romance.

Enfim, os contrastes estão por toda a parte, estamos todos (mal) acostumados com eles. Mas, caramba, não precisavam ser assim, tão explícitos, tão letais.


Pra não dizer que não falei da Flip

separador Por Fernando Molica em 08 de julho de 2008 | Link | Comentários (0)

Caríssimos: tinha a firme idéia de fazer um post mais ou menos longo sobre a Flip. Tinha mesmo, depois da Flip, a idéia - ainda não abandonada de todo - de redirecionar um pouco este blog, passar a tratar, por aqui, de assuntos mais ligados à literatura (a Flip, apesar de um disso e de um outro aquilo, produz o efeito colateral de gerar mais e mais vontade de escrever). O problema é que dei de cara hoje com o assassinato, por PMs, do menino João. Saí do jornal na hora em que se fechava a primeira página, uma excelente e terrível primeira página - vejam nesta terça em "O Dia". E aí, meus caros, tudo perde um pouco a importância. Mesmo que saibamos que a literatura nos ajuda a viver, a encarar tudo isso, a nos fornecer bons argumentos e doses cavalares de humanidade. Mas, enfim, sucumbi. Talvez, um dia desses, eu me anime a falar da Flip - por enquanto, recomendo uma ida ao blog do Sérgio Rodrigues, que fez boas anotações sobre o evento.

Abraços.


Flip

separador Por Fernando Molica em 06 de julho de 2008 | Link | Comentários (0)

A correria da Flip causou um hiato aqui no blog. O dito cujo voltará a ser atualizado em breve - até terça, no máximo.

Abraços.


BG
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. créditos do site    Clique para ver os créditos do site